quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

DESABAFO DE UM LEITOR DO BLOG

Sr João Lúcio,

Sou morador da rua Vital Brasil, 70, centro, ao lado da sede da OAB, próximo à matriz Santo Antônio, tenho dois filhos, gêmeos, somos amigos do Ricardo seu filho, estamos sempre passeando e brincando nas praças da Igreja, do chafariz e a praça nova do Museu, é o quintal de nossa casa.
Contudo, tenho ficado preocupado com a situação deplorável que se encontra nossas praças por causa dos moradores de rua, todos os dias nos deparamos com situações desagradáveis que nos coloca em situações desconcertantes com nossos filhos de 6 anos. Por exemplo: Ontem tinha um morador de rua barbudo e cabeludo trajando roupa de mulher..... vestidinho branco e uma camisetinha de alcinha vasculhando o lixo e sem nenhum pudor tirou seu pênis para fora e urinou numa arvore próxima a banquinha de jornal da praça do chafariz!!!......  Na frente da minha esposa e crianças!!!!!??????

O que está acontecendo com nossa cidade?????

Hoje, íamos novamente à pé pela praça, às 6:50 horas da manhã e nos deparamos com uma mulher moradora de rua, que tem ficado tomando pinga com outros no coreto, e que segundo informações de pessoa que os conhece, é portadora de HIV, e me refiro a isso pois entra numa questão complicada de saúde pública, e ela simplesmente na frente de quem quisesse ver retirou sua "calcinha" por baixo da saia e lavou na fonte da praça..... É isso mesmo..... Lavou sua roupa íntima, que fica em contato com seu órgão genital e ânus na água da fonte da praça de frente do museu, onde nossos filhos e de muitos turista brincam, se divertem e depois colocam suas mãos na boca, pegam pipoca e comem, enfim, estamos falando de questões seríssimas que estão nos cerceando os direitos, e nos expondo à questões sanitárias muito complicadas, fora OS CONSTRANGIMENTOS MORAIS aos quais nossa família vem sendo exposta.

Estou disponível para dialogar, buscar alternativas, debater, me unir a quem queira buscar solução ou caminhos para essas questões. Vamos nos unir, comerciantes, munícipes, buscar aliança com a paróquia Santo Antônio, não sei bem o caminho, mas me coloco à disposição dos que tenham mais conhecimento e capacidade que eu.

Precisamos lutar pelo nosso cantinho antes de não podermos mais usufruir do ambiente familiar e bucólico que é nosso coreto.

Estou à disposição, vamos nos unir e nos mobilizar.

Caraguá é nossa, é nossa responsabilidade lutar por ela.

Obrigado

NOTA NOSSA: Está correta a observação do leitor Alexandre, porque a cidade anda cheia de gente desocupada que vem nãos e sabe de onde e por aqui ficam nas praças sem nada fazer e a perturbar a todos. Direto de ir e vir, não é mesmo que ir e ficar. Há formas de se inibir essa vadiagem importada que só prejudica a vida da cidade. Em São Sebastião nesta semana, em uma abordagem dos agentes da guarda municipal foi preso um desses vadios que era procurado pela justiça. O combate passa pela boa vontade das autoridades que, se quiserem, podem conseguir formas de afastar essa inconveniência daqui. É só querer. Pior é que só vêm pra cá quando os turistas veem.
Caraguá tem jeito só falta um bom ----------------.

FRASE DO DIA DITA POR UM CERTO POLÍICO

"Entrei pobre na prefeitura e vou sair pobre quando acabar o meu mandato"


quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

A VENEZUELA SE COMPLICOU COM A HERANÇA DO HUGO CHAVES

Comprar água para beber é uma aventura e as vendas são autorizadas pelo número da Identidade de cada cidadão. Comprar fralda de criança é outra loucura, já que a mãe precisa enfrentar uma enorme fila e só conseguirá comprá-las se mostrar a certidão de nascimento da criança. Alimentos nos mercados é outra façanha já que tudo está racionado. O fato é que o Hugo Chaves, por sorte dos Venezuelanos já falecido, deixou ao Maduro, atual presidente uma herança maldita de um povo que nada produz e consome quase tudo importado, um povo que não aprendeu a produzir nem os bens de consumo básicos como papel higiênico, pasta de dente, sabonete, fraudas, e outros que são fundamentais mas que o país não produz.
Uma brasileira que se casou com um venezuelano e mora por lá há cerca de dez anos, disse que o povo da Venezuela ganha um salário médio de 5.400 bolívares, que é a moeda oficial de lá, o que equivale a um salário mínimo brasileiro. Essa é a remuneração da grande maioria dos trabalhadores. A brasileira diz que esse valor é o que ela gasta mensalmente só no mercado para alimentar a sua família de quatro pessoas. Os demais trabalhadores têm que satisfazer todas as suas necessidades com o que ela gasta só com alimento.
A dificuldade de se conseguir comprar fraldas por exemplo, é tão grande que alguns malandros ficam nas filas durante a noite e no outro dia compram as fraldas por 50 bolívares e as revendem por até 1000 bolívares no mercado negro, que denominam de “Baixa Feira”.
A Venezuela vive um momento difícil depois de ter sido enganada por tanto tempo por um tipo de governo que estava mais preocupado com os ideais bolivarianos do que com o futuro de seu próprio povo.
Chaves plantou na cabeça do povo que o grande inimigo da Venezuela é o imperialismo norte americano, mas esqueceu-se de ensinar o seu povo a trabalhar e produzir para o seu consumo, ao invés de depender somente do petróleo que jorra abundantemente na região, mas que atualmente com os preços em baixa no mercado mundial, não é mais uma forma de autossuficiência daquele povo.
Morreu e há quem diga que já foi tarde, mas deixou uma herança maldita para o atual presidente que está usando a força para não cair. Prendeu 98 adversários políticos que chama de conspiradores contra o governo, inclusive o prefeito de Caracas que era um dos mais fortes competidores do poder.
A população vem se revoltando e está sendo reprimida da maneira mais bruta que é a repressão das forças armadas.
A Venezuela está perto de ser transformada em uma grande guerra civil entre os seus cidadãos.
Se eles dizem que não há ditadura, porque prender os opositores e controlar a imprensa?
Esses governos bolivarianos estão seguindo o mesmo caminho dos governos religiosos que vêm se impondo à força e matando pessoas em nome de um ideal absurdo e estúpido.
O Brasil precisa ficar longe desses pensamentos que chamam de esquerda mas que na verdade são de uma direita sem alma.
O governo brasileiro não se manifestou claramente contra as maldades da ditadura venezuelana. Precisa fazer isso urgentemente e exigir do Maduro que solte os cidadãos que mandou prender sem culpa formada só para impor-se no poder.
A constituição do Mercosul prevê que todos os países do bloco têm que lutar pela independência dos povos, pela legalidade do poder, e principalmente contra atos ditatoriais. Foi assim em relação ao Paraguai quando o parlamento depôs o presidente, o que rendeu o afastamento daquele país do bloco, e tem que ser assim agora em relação à Venezuela que faz pior do que o Paraguai, que depôs pela democracia já que seus deputados que votaram pelo afastamento foram legitimamente eleitos pelo voto popular. A Venezuela está muito mais radical porque os atos de violência contra cidadãos são autorizados e exigidos pelo partido do governo que não quer deixar o poder de forma alguma e faz barbaridades para continuar no comando da nação.
Está provado que ideal não enche pratos, nem bolsos, e nem gera subsistência. O ideal é bonito se tiver limites e controles. Governo absoluto que não permite ser fiscalizado é um risco desmedido que deve ser evitado.
Ditadura não presta, nem de direita e muito menos de esquerda, e quem tem que decidir o que lhe convêm é o povo e não o Maduro ou Evo, ou quem quer que seja. Se o presidente pode usar a rede nacional para se manifestar através da imprensa, os seus opositores devem ter o mesmo direito de falar contra. Pelo menos, no Brasil a gente pode ouvir os dois lados, ainda bem.
Parece que o Maduro já está tão maduro que pode cair do galho a qualquer momento e levar para o túmulo mais um governo déspota e sem futuro.

João Lúcio Teixeira

VEIO DO V.NEWS

O Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo abriu concurso público para 345 vagas de escrevente técnico judiciário. O salário é de R$ 3.878,07.
No site da Vunesp é possível ver o edital, acesse o edital.
Os candidatos devem ter nível médio completo. A jornada de trabalho é de 40 horas semanais.  As oportunidades são para 9 regiões administrativas do interior do estado.
As inscrições podem ser feitas pelo site www.vunesp.com.braté o dia 6 de março. A taxa é de R$ 50.
A seleção será feita por meio de prova objetiva e prova prática de formatação e digitação.
A prova objetiva será aplicada na data provável de 26 de abril. Os locais e horários ainda serão divulgados.
O concurso terá validade de 2 ano e poderá ser prorrogado pelo 

CARAGUÁ A CAPITAL DA DENGUE

No ano passado foram cerca de 2.500 casos de dengue em Caraguá e neste ano são cerca de 650, já anotados oficialmente. Isso quer dizer que a política de prevenção não está sendo suficientemente desenvolvida na cidade. Será mais uma ação do tal choque de gestão?

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

HÁ VIDA APÓS A SEPARAÇÃO

Esse é o título do livro de minha autoria, que aos poucos vai sendo procurado. Ele tem 177 páginas, contém depoimentos de personagens cujas histórias são baseadas em casos verdades de separações que fiz como advogado. Pode ser importante para quem tenha que lidar com o problema da separação. Uma autoajuda importante que ensina os atalhos da separação com o menor grau de sofrimento possível. Pode ser adquirido pelo E-mail do autor "joaolucioteixeira@gmail.com", por R$20,00 mais postagem. Mando para todo o Brasil.

sábado, 21 de fevereiro de 2015

ECONOMIA PODE SE COMPLICAR

Enorme é o número de empresários que estão reclamando da situação econômica na mais antiga profissão que se conhece, a prática do comércio. Cidades de grande potencial estão com lojas fechadas, e com as tradicionais placas de “aluga-se”, e muitos outros estão tendo dificuldades para pagar aluguéis.
O fechamento de uma ou outra loja pode significar má gestão, mas quando o número de fechamentos aumenta, a crise não é de gestão somente, mas de mercado.
Lembro-me de uma entrevista de um professor de economia da Universidade de Minas Gerais que, na televisão, dizia há cerca de uns seis anos, que o Brasil não podia ser comparado à Rússia, China e Índia, porque aqui há uma série de direitos trabalhistas que por lá ainda não há, e isso encarece a nossa mão-de-obra de forma a diferenciar o Brasil desses outros emergentes.
Ele previu a hipótese de que a concorrência internacional iria causar dificuldades ao Brasil e o resultado ai está. As nossas exportações em algumas áreas como calçados e roupas, foram reduzidas pela entrada desses concorrentes no mercado internacional, com preços menores em razão do custo de produção com mão-de-obra quase escrava.
O governo Lula, encontrou uma solução que foi a desoneração de alguns produtos como automóveis e eletrodomésticos, o que acabou por criar uma bolha de consumo, com crédito facilitado que agora mostra um povo endividado e sem condições de novas compras.
A Dilma não parece ter para onde correr, se o povo está absolutamente sem condições de novas compras e as exportações estão limitadas pela concorrência mais barata dos países emergentes.
Existem duas alternativas, que nos poderiam salvar nessa luta pela manutenção do mercado. Podemos aumentar o poder de compra do brasileiro ou aumentar as exportações para que o mercado externo consuma o nosso excedente. As duas são complicadas, porque o aumento do poder consumo do brasileiro passaria por um aumento na renda, que basicamente é o salário, por ora inviável, ou um aumento nas exportações o que está limitado pela concorrência estrangeira. Outra hipótese, levando-se em conta que o mercado reduziu-se, seria a redução da produção o que implicaria em desemprego, situação inadmissível.
Todas as variáveis são de difícil equação e o governo Dilma pode ter que amargar uma recessão, por conta da conjuntura internacional. Mágica em economia não há porque, os números não mentem e a criatividade tem limites.

Não foi só o ano de 2014 com carnaval, copa do mundo e eleições que prejudicou a economia, mas a realidade do mundo que está levando nações como Espanha, Portugal, Grécia e França, estados com histórias e cultura milenares, a se verem à margem de recessões, ou já em situação de encolhimento econômico, o caso da Grécia, do mesmo jeito que o Brasil. O problema não está só no Brasil, mas no mundo. Qualquer demagogia política pode ser mera especulação oportunista e todas as forças precisam se juntar para proteger o nosso país de uma possível crise econômica que, se ocorrer de fato, vai prejudicar a todos e tudo. Disputa pelo poder é importante na democracia, mas tem hora em que todas as forças devem olhar o mesmo objetivo para que umas forças políticas não seja nociva à conjuntura somente pela disputa do poder. Ou nos salvamos todos, o que não está nada fácil, ou morreremos abraçados se a única boia for furada.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

DILMA NEGA CREDENCIAMENTO DE EMBAIXADOR DA INDONÉSIA

A grande mídia mundial está repercutindo hoje o ato da presidente Dilma Roussef que está insatisfeita com o governo da Indonésia que há cerca de um mês executou a sentença de condenação à morte de um brasileiro que ingressou no país com cocaína. Lá, a lei prevê pena de morte por fuzilamento de pessoas que traficam drogas, e o brasileiro sabia disso, mas resolveu correr o risco. A presidente Dilma pediu clemência ao governo da Indonésia para que impedisse a execução da pena de morte. Não foi atendida e ficou muito brava. Agora, há outro brasileiro no corredor da morte que deverá ser executado nas próximas semanas pelo mesmo motivo. Levou droga daqui para a Indonésia, certamente imaginando que tudo poderia acabar em pizza como acontece por aqui. Foi detectada possível doença do tipo esquizofrenia no atual brasileiro que aguarda a morte por fuzilamento, e a família do réu pediu que ele fosse internado em hospital e não executado. O governo Indonésio está mantendo-se irredutível e diz que lá só não são executados as mulheres grávidas e os menores de idade. Os demais vão para o muro de fuzilamento sem pena nem dó.
Hoje seria o dia em que o Brasil iria deferir o credenciamento do embaixador da Indonésia no Brasil, mas a presidente Dilma avisou que não receberia os representantes daquela nação e nem concederia o credenciamento diplomático. Este fato é uma espécie de rompimento nas relações diplomáticas entre os dois países, e perfaz ato de extrema seriedade que pode gerar precedentes que possam abalar a convivência entre nações.
Analisando o fato, vê-se que a presidente pode estar utilizando-se do caso para ofuscar os escândalos Petrobrás, e nessa hora qualquer motivo serve de escudo.
Se alguém de outro país vier aqui e praticar algum crime que o Brasil condene a longo período de prisão, e o presidente do outro país pedir ao presidente do Brasil para não aplicar a pena da lei, seria uma espécie de revogação da lei porque outros presos irão querer tratamento idêntico e ninguém mais será preso.
Se lá a pena é a de morte para traficante de droga é, de certo modo, um absurdo pretender que o cidadão brasileiro seja tratado diferente dos demais que praticarem o mesmo crime. Afinal o brasileiro sabia que o risco era morrer fuzilado e resolveu correr o risco conscientemente, até porque tinha 43 anos à época. É a maldita mania de achar que não vai dar em nada.
A crise diplomática por conta de execuções de sentenças da justiça da Indonésia é uma atitude que não deveria ocorrer porque o presidente de lá está apenas cumprindo o que decidiu a justiça. Essa história de piedade contra quem faz tanto mal à sociedade é coisa de sentimentalistas latinos que acham que o coração ou a emoção são mais importantes do que a realidade. Será que já não é hora do Brasil pensar em discutir pena de morte para traficantes ao invés de querer revogar as leis de países que levam a sério essas práticas?
O povo brasileiro nem ligou pra essa execução e a maioria em pesquisas de opinião pública divulgadas na imprensa, até achou que o Brasil deveria fazer o mesmo com os seus criminosos. No Brasil cerca de metade ou mais da criminalidade urbana decorre do tráfico e uso de droga e nós estamos enxugando gelo contratando clinicas de recuperação, enquanto que a bandidagem vicia muito mais do que nós conseguimos recuperar. A bandidagem se organiza muito mais do que as polícias e está controlando até os presídios e influindo na justiça. Será que a Indonésia está errada? É um caso a se pensar?

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

QUEM DESEJAR PUBLICAR O SEU TRABALHO É SÓ MANDAR

O Blog está aberto aos que desejarem ver publicados os seus trabalhos aqui. Claro que o escrito tem que ser de interesse geral das coletividades.
Se você costuma escrever o que pensa, nós publicaremos o seu trabalho.
A assinatura do responsável é fundamental e é bom saber que há análise prévia do conteúdo para proteção do direito à imprensa livre e responsável.
Não há limitações quanto ao posicionamento dos autores, mas há sempre a responsabilização pessoal de cada autor. As matérias não precisam ser sobre política, mas sobre questões de natureza técnica, não importando a área de abrangência.

O PODER É DO POVO E NÃO DOS MEDÍOCRES

São dois os mundos a serem harmonizados na vida de cada pessoa que vive em coletividade. O mundo pessoal que é composto dos caracteres da personalidade de cada indivíduo, e o mundo externo que se compõe de pessoas e coisas com as quais o indivíduo irá se relacionar. A harmonia entre esses dois mundos é fundamental para que o indivíduo consiga encontrar o seu lugar no mundo, viver em paz, e disseminar a generosidade.
As pessoas que não conseguem harmonizar esses dois mundos, acabam em conflitos consigo mesmas e com os fatores que compõem o seu entorno.
O ser humano ideal é aquele que consegue entender a si mesmo e colocar-se equilibradamente diante dos fatores e fenômenos que ocorrem à sua volta. Isso não quer significar que se deva permanecer inerte ou apático ante os obstáculos do cotidiano, mas que se deve superá-los sem estresse e com total compreensão de que os obstáculos podem ser considerados como instrumentos de revigoramento das nossas forças e resistências. Cada dificuldade pode servir tanto para desestimular a caminhada, como para fortalecer as pernas e nos fazerem mais resistentes nos passos futuros.
Há na coletividade indivíduos de todas as vocações, sendo uns que só reclamam e nada fazem para se fortalecerem, há os que reclamam, mas agem, e os que não reclamam mas se esforçam e conseguem viver sem grandes dificuldades, porque olham os problemas com olhar técnico e os eliminam, deixando mais fáceis os passos seguintes.
No momento em que se definiu, lá atrás, que o homem viveria melhor se o fizesse em grupos, encontrou-se a fórmula mais duradoura de sobrevivência da espécie humana que, em “sociedade”, vem buscando soluções coletivas para as dificuldades da vida na terra.
O homem se juntou a outros homens e juntos estão tentando construir um estado igualitário que permita oportunidade igual a todos, que tenha soluções que permitam a todos os membros da sociedade a possibilidade de vida melhor.
O resultado seria maravilhoso se todos se considerassem iguais, se conformassem com pequenas diferenças, e aproveitassem os recursos, tanto os naturais como os artificiais para evoluir a espécie humana como um todo, mas nunca somente em favor de alguns grupos como, por exemplo os grupos familiares. Depois de tantas lutas ainda avistam-se, na sociedade, pessoas que querem resolver os problemas de suas famílias e amigos e para tal se aproveitam dos recursos gerados com o esforço de todos para revertê-los em favor de seus apaniguados. Tem pais que sabem que seus filhos não merecem grandes oportunidade porque não passam de criaturas medíocres, mas ainda assim, o papai acha que seu filho inútil deve ser o médico, ou engenheiro, ou o advogado, e até o prefeito ou governador de tantos que poderiam ser muito mais competentes se tivessem chance. São os chamados grupos seletos de falsos virtuosos que de mediocridade em mediocridade vão se aproveitando da inércia e da boa-fé do ser contribuinte.
O eleitor brasileiro precisa aprender a isolar esses malfeitores que andam enchendo os palácios de mentecaptos, idiotas, bêbados e tarados, que ocupam cargos que deveriam ser ocupados por pessoas que tivessem noção da importância da evolução coletiva da espécie humana.

O homem individual tem conseguido ocupar postos que deveriam ser oferecidos exclusivamente aos homens coletivos que conseguissem olhar a sociedade como um grupo de pessoas que desejam viver melhor e não olharem o poder como um bom negócio. Esses facínoras da corte, precisam ser extirpados do ambiente público em favor do ser coletivo que deverá vir em breve para fazer do poder público um gerador de oportunidades de vida digna para todos e não somente para os safados travestidos de gente boa que mal conseguem ler um texto bem simples da bíblia ou de qualquer livro importante, mas que se especializam em ladroagem pública e saem se dizendo grandes administradores. Pior é que tem quem apoia e elogia a tal da canalhice oficial e ajuda a engrossar as fileiras da mediocridade que Olavo Bilac e Rui Barbosa já condenavam.

"A ocasião faz o roubo. O ladrão já nasce feito." - Olavo Bilac

Entregar o poder nas mãos de ladrões através o voto direto e secreto é permitir-se ser roubado. 

"De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto" -  Rui Barbosa.

Ter vergonha do próprio voto, é burrice absoluta de quem entrega o poder a um qualquer e depois tem vergonha do que fez.

João Lúcio Teixeira

(Permitida a reprodução se citada a fonte)

terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

PAPO COM UMA FRANCESA

Ontem tomei um açaí, aliás o melhor da região o do Beco do Açai, acompanhado do Dr. Maurício Monkei e de uma amiga francesa que de vez em quando visita o Brasil. No nosso português meio misturado e de um francês abrasileirado, ouvimos que a França está perto de uma recessão. Recessão na França, país de cultura milenar, berço de civilizações históricas é de se admirar, mas ela é francesa e não iria inventar isso. É psicóloga que trabalha em consultório próprio e também atende em órgão público atendendo especificamente os imigrantes vindos da África, e de outras regiões que para lá se dirigem em busca de condições de vida. Segundo ela, a migração tem sido muito intensa e o atendimento é basicamente de menores de idade que chegam na frança e precisam ser orientados para  a nova vida. A nossa conclusão é a de que o povo brasileiro precisa aprender a defender o país, votar melhor, escolher governantes sérios e desprovidos de vícios e de preferência com instrução para que o Brasil daqui a alguns séculos não tenha os mesmos problemas que vive hoje a França, que pela sua idade democrática tinha que ser uma nação perfeitamente bem estruturada. Os franceses, falei e ela confirmou, têm votado em presidentes tarados cujos casamentos têm sido destruídos por aventuras extraconjugais. Os dois últimos pelo menos foram assim. Quem não tem condições de manter uma família bem estruturada não pode querer governar a vida dos outros. Pense nisso.

ESTRADAS CHEIAS, MAS NEM TANTO

A rodovia dos Tamoios está com tráfego pouco intenso neste ultimo dia de carnaval de 2014, terça feira. Há muita chuva na estrada e todo cuidado é pouco. Há previsão de redução na quantidade de veículos após as dez da noite. É que muitos carros já subiram a serra por causa das chuvas.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

SUCUPIRA ESTÁ MAL

Lá em Sucupira estão dizendo que o chefão, o alcaide, o manda chuva, está empregando em cargo de confiança gente que nunca estudou suficientemente, nunca trabalhou em lugar algum, e viveu a vida toda gastando heranças ou recebendo salários públicos em cargos de confiança. O chefão gosta desse povo que não entende de planejamento, de programação de tarefas, para que ele possa mandar à vontade. Sucupira tem sido considerada a mais violenta da região, tem tido inúmeros desempregados porque não profissionaliza e nem gera postos de trabalho para as camadas mais necessitadas, tem sido infeliz na educação já que tem um IDEB menor do que a região e o estado, enfim Sucupira só tem sido boa para alguns que mesmo assim enriquecem descaradamente.

SOBRE O CARNAVAL EM CARAGUATATUBA

O Blogdojoaolucio.blgspot.com publicou uma crítica ao ato do prefeito Antônio Carlos da Silva, por retirar da praça do coreto no centro da cidade, o carnaval de antigamente que ali vinha sendo realizado há décadas e que era a única festa carnavalesca com alguma tradição na cidade.
A crítica em relação ao carnaval de Caraguá não pode ser restrita apenas a esse erro gravíssimo, mas pode ser extensiva aos bailes populares que existiam nos bairros da cidade que contavam com bandas em épocas de carnaval e atualmente não mais desfrutam dessa forma de diversão. Desde que o atual prefeito tomou posse em 2009, tudo isso foi acabando e o mesmo efeito se vê na festa do Camarão que se realizava anualmente na região do camaroeiro, que foi transferida para a praça de eventos e perdeu o charme e a importância. Essa festa vem sendo enfraquecida ano após ano. A festa da Tainha, e do Mexilhão, seguem o mesmo caminho. A impressão que se tem é que o prefeito da cidade não gosta de povo pobre e de eventos populares, porque está dando valor somente para a festa do “Caraguá a gosto” que se realiza no mês do mesmo nome e versa sobre alimentação promovendo disputa entre restaurantes da cidade que oferecem seus pratos à apreciação dos julgadores. Festa de rico, é claro, como era aquele movimento ridículo que denominavam de “Megacicle”, que trazia motociclistas de fora para fazerem a maior farra na cidade, maconha, cachaça, mulher pelada sobre os triciclos, um monte de gente porca mijando na rua e depois que iam embora a cidade ficava destruída e precisava refazer toda a sinalização de solo do trânsito.
Agora o senhor prefeito investe contra o carnaval popular e manda mudar o único baile popular gratuito do centro da cidade para a praça de evento lá no fim do mundo, e depois reviram a insanidade e trouxeram para a praça de eventos na praia do centro, local também inadequado e todo mundo sabe porquê. Há tráfico de drogas e consumo exacerbado no local, bebidas sem controle, jovens se agredindo, e houve até mortes em confronto entre polícia de bandidos no final do ano passado, naquele local.
Neste carnaval houve problemas com a polícia em relação ao um grupo de participantes do Bloco da Piranhas, outra atividade que não tem nada de organização em que um monte de “homens” se vestem de mulher, enchem a cara e saem pelas ruas fazendo bagunça ao invés de brincarem com graça e respeito. Houve conflito na saída do bloco e a polícia precisou ser firme para conter as loucuras de um carnaval que vai indo de mal a pior em Caraguá. Até o Padre da Igreja do centro da cidade fez duras críticas na missa, ao prefeito por mexer no carnaval de antigamente que na praça do coreto perto da igreja, nunca teve ocorrência polícial nestes anos todos e acolheu inúmeras famílias que vêm de outras cidades para o carnaval organizado e  tranquilo da praça Dr. Cândido Mota.
Ainda bem que a FUNDACC – Fundação Cultural responsável pelo baile infantil manteve a matinê na praça central e ontem o que se viu foi um monte de crianças fantasiadas acompanhadas de pais e parentes, numa beleza de confraternização.
À noite, do domingo de carnaval, aconteceu o baile dos adultos no mesmo local, mas financiado pelos comerciantes da praça que resolveram afrontar o poder público e fizeram o baile bancando as despesas com banda. A prefeitura fez o possível para atrapalhar, retirando dali as coberturas que protegem da chuva, retirou a iluminação que sempre esteve ali nos eventos, e deixou a praça às escuras, sem cobertura, sem banheiros públicos, e ainda assim o baile foi um sucesso, com muita gente lotando a praça e, de novo, nenhuma ocorrência policial.
O que se vê de tudo isso, é que o comércio de cidade turística não devia depender de prefeito algum para essas eventualidades, e bem que a associação comercial e outras instituições ligadas ao mundo do comércio poderiam realizar as festas populares sem prefeito e nem vereador ou similares que só têm servido para atrapalhar no caso de Caraguatatuba. Nem os enfeites de natal foram instalados no último fim de ano. Abandonaram a cidade ao Deus dará.
A banda que tocou na praça do coreto, não era a oficial que tocava todos os anos e a diferença foi grande de uma para outra, cada qual no seu estilo, mas a variação de repertório e de estilo agradou perfeitamente.
A banda oficial do Zé Pepê tocou no baile infantil e a banda alternativa, de nome Carnavalha tocou à noite o que mostrou que a variação também faz bem e houve mais interação entre os foliões e a banda que animou bastante, especialmente com o repertório de Axé e alguns "rocks" nacionais em ritmo de marchinha ou reage.
Ficou evidente que a sociedade pode organizar-se mesmo contra os governantes que estão lá para administrar a nossa vontade e não a vontade deles. O poder não pode ser exercido com ódio, mas com amor, carinho, respeito e acima de tudo com humildade. Afinal o poder é efêmero e logo os atuais detentores estarão fora dele e a vida vai continuar talvez melhor sem eles.
Parabéns à FUNDACC por não ter retirado o baile infantil da praça central e aos comerciantes por terem descoberto o caminho das pedras sem a nefasta e desagradável intervenção do poder público.

Seria oportuno que a FUNDACC mandasse retirar a cerca que isola a praça, coisa que nunca houve antes, e mandasse iluminar corretamente o local como sempre foi, e ainda que colocasse ali as coberturas de volta. Ainda há tempo e reconhecer os erros é virtude.

sábado, 14 de fevereiro de 2015

VIVAS À INCOMPETÊNCIA

O Jornal Noroeste News, tem publicado em sua contracapa, matérias extraídas do Blogdojoaolucio.blogspot.com, claro, com a nossa permissão. Nesta última semana a matéria que chamou a atenção foi a que versava sobre a mudança de local do carnaval de antigamente que há décadas se realizava na praça do coreto no centro da cidade. Essa era a única festa de carnaval com tradição na cidade e atraia famílias da cidade e de fora que se divertiam com pouco dinheiro e muita alegria, tanto nos bailes infantis como à noite. A praça é tida como ambiente familiar, com baixíssimo índice de violência, portanto, altamente segura e agradável.
Ao que se soube, alguns ocupantes de cargos de confiança na municipalidade deram a ideia da mudança justificando a intenção com os danos que as festas causavam aos canteiros da praça. Parece que o prefeito não vai àquela praça há muito tempo porque se fosse, veria que não há plantas e nem canteiros, mas um deserto mal tratado com solo de terra rachada como o chão do nordeste em épocas de seca. Não há jardineiro e nem caminhões pipas para molhar as plantas como se vê em outras cidades. Tudo seco, mal cuidado parecendo mais praça de guerra do que de centro de cidade. Portanto, essa desculpa não poderia colar nunca para justificar a mudança do carnaval de antigamente que simplesmente foi deletado da agenda do prefeito Antônio Carlos.
O Jornal publicou a matéria e o que impressionou-me foi a quantidade de pessoas na rua cumprimentando-me pelo texto. Houve quem dissesse que leu mais de uma vez a matéria e que se fosse escrever sobre o assunto teria escrito exatamente o que eu escrevi. É gratificante saber que estamos fazendo algo do agrado de tanta gente simples ou não.
O fato é que muito está se falando em “impechment” da Dilma, mas fala-se muito pouco no Brasil em cassação de prefeitos e mesmo os que já estão cassados como o caso do de Caraguá e o de Taubaté, continuam fazendo do poder algo particular seu e de suas famílias, em total falta de respeito aos interesses do povo.
O de Caraguá chega ao exagero de colocar mármore na avenida da praia, numa extensão de vários quilômetros, em uma cidade que não tem medicamentos na farmácia pública, constrói os prédios que ele mesmo escolhe, as construtoras são sempre as mesmas, não ouve ninguém, e faz o que bem entende. Até consegue acabar com o pronto socorro único da cidade e agora com a única festa descente do carnaval local.
É um governo desorganizado, porque já trocou mais de 80 secretários em seis anos, governo fraco e inexpressivo aos olhos dos cidadãos que sofrem nas filas do serviço público de má qualidade, sofrem a falta de segurança que o prefeito piorou quando desligou em 2009 as câmeras de segurança e nunca mais ligou, fato que parece mostrar desinteresse no combate ao tráfico de drogas, governo de um prefeito que não pode andar nas ruas da cidade por medo do povo, ou pelo menos desprezo ao povo. Enfim, Caraguá está experimentando uma das piores fases da sua história nas mãos de um político cassado por improbidade que continua no cargo por conivência de um poder judiciário que lhe dá mais oportunidades de ser prefeito do que a lei autoriza. Se o Judiciário fosse firme no cumprimento da lei, ACS já estaria longe de Caraguá porque a suspensão de seus direitos políticos já decretada por colegiado da justiça estadual resulta na imediata, perda do cargo público, mesmo que algum recurso em terceira entrância esteja em andamento. Há magicas que só alguns conseguem entender.

Caraguá está sendo castigada e não governada.