quinta-feira, 23 de junho de 2016

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO É FONTE DE PROPINA

Logo de manhã, as rádios que sempre ouço ao acordar noticiavam a prisão do ex-ministro do governo Lula, Paulo Bernardo marido da senadora Gleisi Hoffmann uma das defensoras da presidente afastada Dilma Rousseff no processo de impeachment. Paulo foi preso sob a acusação na operação “lava jato” de participação em esquema de corrupção no sistema de empréstimo consignado tão alardeado nos últimos tempos no Brasil. Os bancos emprestam o dinheiro a algum servidor públicos ou aposentado do sistema previdenciário e recebem através dos descontos em folha de pagamento com garantia total de receberem de volta o dinheiro emprestado com juros e correção, sem o risco da inadimplência, já que descontado garantidamente na folha de pagamento. Para conseguir dinheiro o interessado não precisa ter nome limpo e nem fiador.
Em princípio parece algo que favoreça aos idosos que poderiam usar o recurso para viajar, comprar remédios, pagar por cirurgias e próteses não cobertas pelos SUS, só que atrás dessa cortina aparentemente inocente existe um processo de exploração familiar, em que filhos e netos desocupados, sem profissão e muitas vezes, bandidos, usam desse recurso para compra de telefones caros, motos, e até agridem os idosos para obrigá-los a fornecer dinheiro. Sem proteção o idoso acaba coagido a fazer empréstimos para satisfazer os desejos de seus parentes que não estudam, não trabalham e nem produzem nada de útil para a humanidade. São os parasitas sociais.
Nos últimos anos viu-se um certo aumento nas facilidades de abertura desse crédito consignado que nem exige que o cidadão tenha o nome limpo, porque o pagamento é garantido na folha de pagamento e as razões não se explicavam, para essas facilitações. Agora, com a operação “lava jato” que culminou na prisão do ex-ministro, do PT, Paulo Bernardo veio à tona o esclarecimento. A polícia descobriu que para cada empréstimo concedido havia uma taxa de abertura do crédito que era paga em favor da empresa CONSIST contratada para operacionalizar os empréstimos, e a taxa por ela cobrada era direcionada para pessoas ligadas ao ministério do planejamento conduzido pelo Paulo Bernardo, e os percentuais considerados propina chegavam a 70% da arrecadação e eram entregues aos agentes públicos e políticos valores que somaram   mais de 100 milhões de reais. Paulo Bernardo aparece como principal beneficiado do sistema. Por isso foi preso e teve a sua casa visitada por policiais federais através de mandados de busca e apreensão expedido pela justiça.
O fato caiu como uma bomba no colo do PT que já tem colecionado muitos descontentamentos nos últimos tempos.
A verdade da política brasileira é que, sem dinheiro não se consegue ganhar votos suficientes em eleições milionárias, que geralmente são vencidas por quem tem mais dinheiro e que depois acaba retirando dos negócios público e dos cofres públicos, de volta, o dinheiro gasto nas eleições com lucros exorbitantes. Política virou negócio e negócio de má qualidade moral e o sistema democrático estaria em cheque diante de tantas falcatruas. Será isso democracia?

Pior é que parece não sobrar ninguém. O PT está pagando o preço de ter destruído a esperança de que, uma vez no poder, poderia fazer diferente.

O PT PAGA O PREÇO DA DECEPÇÃO POPULAR

Logo de manhã, as rádios que sempre ouço ao acordar noticiavam a prisão do ex-ministro do governo Lula, Paulo Bernardo marido da senadora Gleisi Hoffmann uma das defensoras da presidente afastada Dilma Rousseff no processo de impeachment. Paulo foi preso sob a acusação na operação “lava jato” de participação em esquema de corrupção no sistema de empréstimo consignado tão alardeado nos últimos tempos no Brasil. Os bancos emprestam o dinheiro a algum servidor públicos ou aposentado do sistema previdenciário e recebem através dos descontos em folha de pagamento com garantia total de receberem de volta o dinheiro emprestado com juros e correção, sem o risco da inadimplência, já que descontado garantidamente na folha de pagamento. Para conseguir dinheiro o interessado não precisa ter nome limpo e nem fiador.
Em princípio parece algo que favoreça aos idosos que poderiam usar o recurso para viajar, comprar remédios, pagar por cirurgias e próteses não cobertas pelos SUS, só que atrás dessa cortina aparentemente inocente existe um processo de exploração familiar, em que filhos e netos desocupados, sem profissão e muitas vezes, bandidos, usam desse recurso para compra de telefones caros, motos, e até agridem os idosos para obrigá-los a fornecer dinheiro. Sem proteção o idoso acaba coagido a fazer empréstimos para satisfazer os desejos de seus parentes que não estudam, não trabalham e nem produzem nada de útil para a humanidade. São os parasitas sociais.
Nos últimos anos viu-se um certo aumento nas facilidades de abertura desse crédito consignado que nem exige que o cidadão tenha o nome limpo, porque o pagamento é garantido na folha de pagamento e as razões não se explicavam, para essas facilitações. Agora, com a operação “lava jato” que culminou na prisão do ex-ministro, do PT, Paulo Bernardo veio à tona o esclarecimento. A polícia descobriu que para cada empréstimo concedido havia uma taxa de abertura do crédito que era paga em favor da empresa CONSIST contratada para operacionalizar os empréstimos e a taxa por ela cobrada era direcionada para pessoas ligadas ao ministério do planejamento conduzido pelo Paulo Bernardo, e os percentuais chegavam a 70% da arrecadação as propinas recebidas pelos agentes públicos e políticos. Paulo Bernardo aparece como principal beneficiado do sistema. Por isso foi preso e teve a sua casa visitada por policiais federais através de mandados de busca e apreensão expedido pela justiça.
O fato caiu como uma bomba no colo do PT que já tem colecionado muitos descontentamentos nos últimos tempos.
A verdade da política brasileira é que, sem dinheiro não se consegue ganhar votos suficientes em eleições milionárias, que geralmente são vencidas por quem tem mais dinheiro e que depois acaba retirando dos negócios público e dos cofres públicos, de volta, o dinheiro gasto nas eleições com lucros exorbitantes. Política virou negócio e negócio de má qualidade moral.

Pior é que parece não sobrar ninguém. O PT está pagando o preço de ter destruído a esperança de que, uma vez no poder, poderia fazer diferente.

segunda-feira, 20 de junho de 2016

AGUILAR JÁ DEFINIU A SUA CHAPA

Segundo fontes de boa confiabilidade o Aguilar que seria o candidato a prefeito de Caraguá pelo PMDB, tendo encontrado dificuldades para viabilizar o seu nome tendo em vista as limitações da lei de ficha limpa, que impede candidaturas de pessoas com contas rejeitadas de mandatos anteriores, ele resolveu indicar o seu filho José Pereira de Aguilar Junior para substituí-lo nessa oportunidade. O Junior deverá usar o nome do pai e assim amealhar votos das pessoas que admiram o Aguilar pai pelo seu passado de político popular.
Rola nas ruas e as fontes são confiáveis que o vice do Junior é o Capitão Campos Junior do PPS, que irá compor a chapa de prefeito e vice.
Ao que se avista, trata-se de duas pessoas de boa reputação, mas de muito pouca popularidade, o que poderá pesar na disputa. Contudo há que se admitir que podem fazer uma boa eleição em Caraguatatuba.
Do outro lado, o Gilson Mendes que segue sendo o indicado pelo atual prefeito, escolheu um nome bem popular para ser o seu vice, e se for mesmo verdade que o prefeito vai apoiar o Gilson e o vice seja confirmado o Baduquinha, a falta de popularidade do Gilson pode ser suprida em parte pela do Baduca que circula em todos os meios com facilidade.
Outros nomes que estão postos é o do, Nivaldo Alves, ex secretário de esporte, o médico José Ernesto que pretende concorrer pelo SOLIDARIEDADE e o do Álvaro Alencar que vai concorrer pelo PPL, o nome do João Lúcio depende de confirmação, mas ele não demonstra animação. Prefere declarar apoio ao Álvaro.
Comenta-se que o Lelau poderá ser candidato pelo PMB.
É bom lembrar que Caragua não tem segundo turno e quem tiver mais votos na primeira eleição leva o troféu. Segundo turno só em cidades com mais de 200 mil habitantes.

ELEIÇÕES EM CARAGUATATUBA

Existem pré-candidatos divulgando informações que não são verídicas sobre a participação do PROS no pleito deste ano em Caraguatatuba. O presidente do PROS é o João Lúcio que está compromissado com a candidatura do Álvaro Alencar a prefeito, e não existe nenhum outro movimento diferente em torno da sigla PROS. As conversas são entre o PPL, PROS e em paralelo o PT.
Outras siglas não conversaram com o PROS que está aberto ao debate desde que seja de forma adulta e responsável e desde que não se perca o senso do interesse público .

quinta-feira, 9 de junho de 2016

SOBRE O ACIDENTE COM ESTUDANTES DE SÃO SEBASTIÃO

A imprensa de todo o Brasil e do mundo está publicando hoje, mais caso de acidente grave com mortes em grande escala. Um ônibus que transportava estudantes moradores de São Sebastião que estudavam nas universidades de Mogi da Cruzes, e que ontem por volta da onze e meia da noite, depois de o motorista perder o controle da direção, tombou em uma valeta cercada de pedras e levou à morte 18 pessoas, número que pode sofrer aumento dado o estado grave de algumas vítimas que estavam nos hospitais da região.
O fato nos leva primeiro a lamentar as mortes, mas ao mesmo tempo nos faz raciocinar sobre essa forma de as prefeituras do Litoral Norte contratarem ônibus para transportar estudantes, assumindo a corresponsabilidade dos riscos, já que a contratação feita pelos municípios quase sempre decorre de processos licitatórios direcionados e as empresas são em alguns casos, não se pode afirmar que o caso presente seja irregular,  mas pode-se afirmar que em muitos casos dessas espécie de contratação as empresas são, às vezes de amigos ou de parentes de políticos e nunca são fiscalizadas.
O acidente de São Sebastião pode levar as famílias das vítimas a acionar o município pleiteando vultosas indenizações, caso haja alguma irregularidade na operação do sistema, o que a perícia irá verificar.
O mais recomendável seria que o município concedesse bolsa transporte por lei municipal, entregasse os valores aos estudantes que se organizariam em associações ou cooperativas, para que eles contratassem o transporte diretamente, forma que poderia até garantir mais cautelas na escolha da empresa, dos ônibus e dos motoristas. Sabe-se que os políticos não costumam fiscalizar com a devida atenção a manutenção dos veículos e a qualificação dos profissionais que operam o sistema. 
O fato é que quem contrata mal responde pelos resultados.
Com todo respeito aos familiares e às vítimas, mas essa seria uma forma de se fazer o mesmo serviço, atender aos interesses dos estudantes com eles mesmos controlando diretamente o serviço.

quarta-feira, 1 de junho de 2016

PREFEITURA NÃO TEM QUE TER LUCRO FINANCEIRO

Com a chegada de mais um ano eleitoral, o Brasil começa a ser iludido com as propagandas enganosas de governantes, que por alguma razão pessoal pretendem, mesmo fora do poder, seguir comandando as coisas públicas, e principalmente os negócios públicos altamente rentáveis aos grupos que circundam o erário.
Nesta semana a prefeitura de Caraguatatuba fez tornar pública uma mensagem da pior espécie para quem olha o poder como meio de desenvolvimento social.
Diz a mensagem que o prefeito Antônio Carlos da Silva do PSDB que governa a cidade há quase dezesseis anos, e mais quatro de um governante por ele indicado, portanto, governa direta ou indiretamente há 20 anos, é um exemplo a ser seguido pelos prefeitos brasileiros, é o que diz a mensagem, porque estaria ele encerrando o seu ciclo à frente da cidade com 150 milhões em caixa, enquanto que grande parte dos municípios brasileiros têm dívidas. Dizem os seus asseclas que isso é eficiência gerencial. Ai uma ilusória avaliação porque governo não é empresa, governo não é para dar lucro financeiro, governo é para realizar o bem comum. Se fosse um governo de vocações sociais, talvez não tivesse dinheiro em caixa, mas teria reduzido a pobreza de seus governados, teria gerado postos de trabalho, profissão, oportunidade de vida digna, moradia, não com dinheiro do governo federal ou estadual, mas do próprio município. Se fosse um governo que olhasse para o ser humano com olhos solidários, com amor e com respeito, não deixaria o povo sofrendo em um sistema de saúde desconfortável e insuficiente. Teria deixado à disposição do povo um atendimento médico e hospitalar mais eficiente.
Existe no Brasil essa ideia de que prefeito tem que ser empreendedor, palavra usada no meio empresarial, como se prefeitura tivesse que dar lucro e ter dinheiro em caixa.
O contribuinte de Caraguá paga mais caro o IPTU do que em outras cidades vizinhas, paga mais caro o Imposto de Transmissão de bens quando há uma venda de imóvel, paga caro para ter serviços de qualidade, e tem um enorme desemprego, uma enorme taxa de violência, um serviço de saúde lamentavelmente ruim, transporte coletivo de péssima qualidade e caro, e vem a público o governante dizer que tem 150 milhões em caixa e disso se vangloriar. Gostar de dinheiro pode ser importante na vida particular e mesmo assim com limites para não virar paranoia.
Em uma cidade de população tão pobre e desprotegida, melhor seria atender à necessidade dos adolescentes que precisam de profissão e trabalho, e esse dinheirão que está no caixa bem poderia ter gerado milhares de novos profissionais, e inúmeros postos de trabalho.
Quem sabe um dia desses as cidades do litoral norte possam ser administradas por pessoas com alma realmente humana que ao invés de guardar dinheiro contribua com o desenvolvimento humano de seus habitantes sedentos de oportunidade de vida digna.
O Tio Patinhas, certamente não gostaria deste nosso comentário, mas sem qualquer conotação pessoal, é necessário olhar-se a gestão pública com mais responsabilidade social. Caraguá se mostra uma cidade rica com povo pobre e quer ser exemplo para o mundo.
João Lúcio Teixeira

Jornalista- MTB- 83284

segunda-feira, 30 de maio de 2016

MAIS UMA TRAPALHADA DO GOVERNO TEMER

O Michel Temer assumiu o cargo de presidente do Brasil sem nunca ter sido votado para tal tarefa, enquanto a presidente estivesse viva e com saúde. Dilma está viva e com saúde ainda assim o Temer é o presidente do Brasil cargo que conseguiu com a ajuda do deputado Eduardo Cunha que é processado por ter contas fora do país, repletas de dinheiro sujo.

Alguns fanáticos de direita defenderam a mudança como sendo a grande esperança de salvação do país, que segundo essas avaliações desavisadas, mergulhava em uma crise sem precedentes na sua economia. Temer assumiu com ares de enviado por Deus para tirar o país da crise e fez mudanças na estrutura ministerial que incluía a extinção do ministério da cultura que teve que voltar atrás depois de significativa manifestação dos artistas e adeptos da cultura. Nomeou um ministro de planejamento o Jucá que teve que ser demitido depois de escândalos públicos que prejudicavam a imagem do governo. Extinguiu a controladoria da união órgão de controle dos atos governamentais e criou o ministério da transparência para substitui-la. Hoje, vem a público um telefonema gravado entre o ministro da transparência o Fabiano Silveira, e Renan Calheiros dando conta de que o ministro da transparência é corrupto como outros já identificados e deverá ser exonerado também. Tudo isso em um mês de governo “salvador”. Dá para acreditar que a mudança tenha sido benéfica?  
Gravem o nome do novo trapalhão temerário: Fabiano Silveira.

domingo, 29 de maio de 2016

LEITORA PEDE PARA CITARMOS O NOME DO LELAU

Fica complementada a matéria e o Lelau passa a fazer parte dos possíveis candidatos a prefeito em Caraguá pelo Partido da Mulher Brasileira.

sexta-feira, 27 de maio de 2016

COMO FICA O QUADRO ATUAL EM CARAGUÁ

Os candidatos a prefeito de Caraguá estão afunilando as opções e alguns já ficaram pelo caminho, mas outros persistem. O Aguilar deve ficar fora e indicar o filho Junior; o Álvaro segue firme e está com a situação política tranquila. O Nivaldo Alves está buscando apoios e parece convicto de que deve disputar; o José Ernesto (oftalmologista) anda meio macambúzio depois que o prefeito Antônio Carlos resolveu apoiar o Gilson, mas segue candidato; João Lúcio está junto com Alvaro para definirem mais à frente quem encabeça a chapa, mas a preferência por ora está com o Álvaro por tendência do próprio João Lúcio que se dispõe contribuir com a formação de uma chapa que seja capaz de vencer.
Assim o quadro se mostra com Aguila Junior pelo PMDB, Gilson Mendes pelo PSDB, Nivaldo Alves pelo PRB, José Ernesto pelo Solidariedade, Álvaro ou João Lúcio pelo PPL ou PROS.
Nas próximas horas poderá haver novas mudanças porque os bastidores não param.

NETO BOTA NÃO SE CONFORMA

Antônio Carlos o prefeito de Caraguá do PSDB, escolheu para ser seu candidato a prefeito o engenheiro Gilson Mendes, único secretário que suportou-se no cargo durante todo o período de governo do atual prefeito. São parceiros políticos de relacionamento aparentemente firme.
O prefeito já anda pelas ruas apresentando o seu candidato ao povo e pedindo voto numa explicita demonstração de que está decidido o nome que vai representar o PSDB na urnas em outubro.
O Gilson está rindo atoa por ter conseguido o que Nivaldo Alves, Neto Bota e mais pessoas desejavam, o apoio do prefeito nas eleições.
Do outro lado,vazou a notícia de que a família Bota não aceita a preterição do seu representante e quer levar o assunto para a disputa em convenção. O Neto Bota seria um pretendente e o Gilson o outro, sendo que um dos dois terá que sair derrotado nesse confronto. O prefeito ofereceu a vice do Gilson para o Bota que não aceitou, e nem quer ser mais vereador se não for candidato a prefeito.
O enfrentamento é claramente difícil para o Bota porque o prefeito além de ter o controle da legenda, tem poder e dificilmente vai deixar acontecer alguma possibilidade de derrota para o seu candidato.
O Bota foi avisado de que a parceria com o atual prefeito que ele cumpriu até certo momento, não seria garantia de apoio lá na frente, mas ele achava que sendo fiel ao alcaide bastaria para ser o seu escolhido. Não foi, anda bravo e nem tem frequentado as sessões de câmara com a mesma pontualidade de antes. Está desmotivado politicamente, e uma pena porque se trata de uma promessa interessante para o futuro da política local.

MUDA O QUADRO DE CANDIDATURAS EM CARAGUÁ

Fontes confiáveis informaram ao Blogdojoaolucio o que o blog já havia previsto bem antes. O Sr. José Pereira de Aguilar já aceita a impossibilidade de ser candidato a prefeito de Caraguá no próximo pleito de outubro. O Aguilar seria, sem dúvida, um forte candidato já que foi vice prefeito e prefeito da cidade e goza de bom prestigio popular. Acontece que tem contas rejeitadas pela câmara municipal e a lei de ficha limpa impede que candidatos nessas condições possam disputar eleições durante um período de cinco anos a contar da data da rejeição. Segundo consta ele estava fazendo um esforço jurídico para tentar suspender os efeitos das rejeições das suas contas e assim se candidatar com uso de medida liminar autorizada pela justiça. A situação era difícil porque a lei de ficha limpa é explícita ao dizer que candidato com contas rejeitadas não podem competir, e como se trata de julgamento político e não jurídico, a justiça não tem poder para anular a votação da câmara se nela não houver alguma ilegalidade. No caso em apreço a legalidade das votações da câmara não foram questionadas na justiça e, portanto, são válidas para todos os fins de direito.
A novidade, para quem conhece e acompanha a política local é a indicação do filho do Aguilar para substituí-lo na disputa e, quem vai às urnas é o José Pereira de Aguilar Junior e não o pai, que pretende usar o peso do seu nome para convencer os eleitores a votarem no seu filho. O Junior é um bom rapaz, bom filho, bom chefe de família, e tem todo o direito de ser o candidato. O que não se pode admitir é que a campanha possa ter como fim a indução em um candidato como se fosse o outro, mas isso não parece ser a intenção da família querida e respeitada. Não vão enganar o povo e farão, certamente uma campanha esclarecedora que informe ao eleitor que o filho é o candidato.
Dos candidatos que estavam participando do grupo de apoio há uma certa parte que se sente prejudicada porque contava com o prestigio do pai, mas há uma parte dos apoiadores que mantem firme na intenção de apoiar o Aguilar Junior.
A informação que nos chega, dá conta de que o Aguilar pai ainda continua se dizendo candidato até que chegue o momento da convenção partidária, mas sabe-se que a substituição já está praticamente confirmada. Só uma das maiores zebras da história do Brasil poderia mudar esse rumo.
Para o velho Aguilar o sentimento de perda deve ser grande porque ele tinha reais condições eleitorais de voltar ao cargo de prefeito, e nem todo o prestigio político se transfere na prática. Isso deve criar uma sensação de desconforto para quem gosta tanto de política.
Este Blog quando informa, não torce e só busca esclarecer, e por isso havia dito antes que o Aguilar somente poderia ser candidato se conseguisse uma liminar da justiça, mas medida liminar só é concedida quando há algum direito em risco como por exemplo quando alguém está correndo um risco de ter algum prejuízo irreparável que a justiça possa impedir que ocorra até que a questão seja definitivamente resolvida na justiça. A liminar protege algum direito, e o candidato que tenha contas rejeitadas ou condenação e colegiado da justiça, não tem direito a ser protegido por esse instrumento jurídico. Valeu a luta do velho Aguilar, que tentou voltar a fazer o que tanto gosta.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

O QUADRO DE CANDIDATOS PODE ESTAR MUDANDO

Uma candidatura a prefeito de Caraguá, pode estar deixando o campo de luta, e vai ser uma baixa importante, que vai mudar definitivamente o quadro da disputa. O Blog está apurando detalhes e vai divulgar em breve.

O BRASIL BATEU NO MURO II

Certa vez, há muitos anos, escrevi um artigo que foi publicado no Jornal O Valeparaibano, com o mesmo título deste que hoje escrevo. Naquela época o Brasil bateu no muro porque a sua economia tinha chegado ao fundo do poço e os políticos não encontravam saída para as sucessivas crises. O desemprego era a tona e a inflação complicava ainda mais a situação das famílias brasileiras. Novamente me veio a mesma motivação, só que, por razões diferentes, mas de efeito novamente igual ou pior. Agora, não é só a economia que gera preocupações com as dificuldades naturais da falta de dinheiro e falta de motivação para os meios de produção que tem como pano de fundo a desmotivação do consumo que são os dois pilares da movimentação econômica. O produtor produz mais e o consumidor consome mais, num círculo virtuoso que gera rendas, empregos, e tranquilidade. Fica evidente que em uma nação equilibrada, a economia é a força motora da satisfação do seu povo. A Dilma distraiu-se no controle das contas e está pagando o preço de ter desagradado ao capitalista que queria ter mais lucros e ao trabalhador que desejava mais empregos. Quem olha do lado mais romântico da política pode achar que esse seja o motivo do impeachment e que a Dilma estaria sendo acuada somente por conta de uma crise econômica.
Quem olhar mais profundamente, principalmente depois do vexame chamado Jucá, vai ver que o pano de fundo da crise política brasileira não é exatamente a economia, que se vai mal ainda não poderia ser assim tão importante para tantos gritos da parte dos deputados e senadores. O que está deixando apavorados os tais deputados senadores, vereadores, prefeitos, governadores e que tais, é a “Operação lava jato” desencadeada há mais de dois anos pela polícia federal e pelo Juiz Sérgio Moro, que vem desvendando os mistérios dos bastidores da corrupção instalada em todos os níveis da política brasileira. Os espertalhões descobriram que é possível ser eleito para algum cargo público e nunca mais precisar trabalhar ou se preocupar com estudos ou especializações profissionais. Desviam dinheiro público, enriquecem, gastam uma pequena parte para se reelegerem e seguem roubando mais e se reelegendo mais. Mais fácil ganhar a vida sem riscos, já que a impunidade sempre foi a tônica desses malandros de colete.
A operação lava jato, que já colocou na cadeira muita gente nunca antes imaginadas na história deste país, tem sido como um fio comprido que ao ser puxado vai desvendando a cada centímetro um novo desastre moral e algum novo crime contra os cofres públicos.
Os políticos que foram pegos, como o Senador Delcídio Amaral, que não tem capacidade de suportar pressões psicológicas, ao ser preso já denunciou a uma porção de outros políticos que com ele praticaram corrupção e assim o novelo da sujeira vai sendo desenrolado e mais gente denunciando e mais políticos sendo processados e presos. Jucá mostrou que a derrubada da Dilma, não era exatamente pelos problemas da economia, mas pelo risco que a burguesia política estava correndo de ir pra cadeia ou de não mais se reeleger.
O Jucá deixou claro que a derrubada da Dilma era a saída para em um governo do Temer, se conseguir parar o que chamou de “sangria” da classe política nacional. Queria tirar a Dilma porque ela não estava conseguindo ou não queria, sabe-se lá, conter o Moro e a Policia Federal. O azar deles é que o processo de combate à corrupção já saiu do controle e não há como parar o que povo quer que continue. O desespero dos políticos é não conseguir dormir em paz como sempre o fizeram e o temor de às seis da manhã ter a casa invadida por agente federais em cumprimento de mandados de busca autorizados pela justiça. Se em 1964 eles entravam na marra sem ordem judicial e ninguém os impedia, hoje eles já conseguem ordem da justiça e as instituições funcionam em regime de regularidade legal.
O caminho não parece ter volta e a nação brasileira está festejando a queda de um por um como pregava o Ivan Lins em música cantada pela Elis Regina, com frase como “cai, o rei de pau, cai o rei de ouro, cai o rei de espada, cai não fica nada”.
Talvez a música tivesse que ser composta hoje e não naquele tempo.
A verdade é que os velhos de cabeça branca que aprenderam a roubar estão sendo desalojados um a um e o desespero deles é o medo de ser o próximo da lista.

A volta da Dilma parece difícil, mas a manutenção do Temer no poder parece mais difícil ainda e a história poderá escrever um novo capitulo a partir de uma nova eleição que permita ao povo treinar um pouco mais até acertar no voto secreto e sagrado.

domingo, 22 de maio de 2016

A DEMOCRACIA BRASILEIRA QUER FICAR ADULTA

Governar uma nação, seja de um país, um estado ou uma cidade, não é tarefa para ser resolvida por mágicos e nem por amadores. O discurso dos que combatiam o governo Dilma, era o da redução da quantidade de ministérios, já que, segundo a maioria dos defensores do impeachment, trinta e nove ministérios era numero excessivo e a redução, segundo eles, era necessária.
O Temer, assim que assumiu tratou de cumprir a promessa feita aos seus “protetores” políticos, dos partidos de oposição ao governo do PT, e reduziu a quantidade de ministérios de forma drástica fazendo crer que haveria uma grande economia no orçamento do planalto em decorrência dessa medida. Não esperava ter dor de cabeça porque a medida era apregoada com alarde durante o “fora Dilma”, e deveria ser aceita com facilidade pela população que, diziam eles, estar enfastiada de tantos gastos ditos   desnecessários.
Extinguiu o ministério da cultura que foi transformado em secretaria sem status de ministério, e o povo reagiu, principalmente a comunidade dos artistas que vem nos últimos anos sendo agraciada com verbas para produção cultural, especialmente o cinema nacional e outros setores ligados à produção cultural e artística, sob os auspícios da lei Rouanet. Houve uma grita geral pela reativação do ministério com artistas na rua, artistas se manifestando diante da plateia, em quase todos os espetáculos, o que gerou um grande desconforto ao palácio do planalto. O resultado foi a reativação do ministério da cultura numa ação rápida do governo, para evitar mais desgastes, a mostrar que as ações de governo não são assim tão simples, e podem causar reações de difícil previsão.
Temer vem perdendo pontos importantes neste início de governo, e o acúmulo de desgastes pode inviabilizar a sua permanência no cargo. Assim foi com a ideia de criar mais impostos, declarada na mídia pelo ministro da fazenda e depois desmentida, com ideia de interferir na escolha do procurador geral da republica dita pelo seu ministro da justiça e depois desmentida, com a ideia de mexer na idade mínima para aposentadoria, e outros pontos que desagradam a grandes grupos e instituições.
Hoje, domingo dia 22 de maio o presidente em exercício teve que antecipar a sua volta de São Paulo para Brasília porque por que um movimento popular instalou-se perto de sua residência na capital paulista. São populares que dizem que querem a saída de Temer do poder. Uma parte do movimento é pelo retorno da Dilma ao cargo de presidente, e outra parte do movimento é pela saída de Temer e não quer a volta de Dilma. São setores predominantes da sociedade que desejam novas eleições diante de tantas desilusões causadas pelos seguidos escândalos publicados na imprensa dando conta de uma corrupção generalizada no Brasil. A situação que vem sendo de conhecimento público através da imprensa gerou uma insatisfação geral no povo que passou a achar melhor que se fizesse uma nova eleição e de preferência eleição geral para todos os cargos eletivos no Brasil. Este sentimento pode inviabilizar o governo Temer e se aumentar o número e a frequência dessas manifestações sociais, a saída não será outra se não elegermos novos governantes para o Brasil, a começar pelas prefeituras e pelas câmaras de vereadores, assembleias legislativas estaduais, câmara federal e senado.
Parece que nossa democracia resolveu ficar adulta.

terça-feira, 17 de maio de 2016

VÃO CORTAR PARTE DO BOLSA FAMÍLIA

Estão dizendo, gente do palácio do governo federal, que vão passar um pente fino no bolsa família e cerca de 10% dos beneficiários poderão ser excluídos. Levando em conta que quem indica as famílias são os prefeitos e vereadores de cada cidade, através de relatórios nem sempre corretos das secretarias de promoção social, o correto seria apurar, os casos de irregularidades nas indicações, e processarem na justiça os responsáveis pela elaboração dessas listas. Só excluir o nome da lista não basta, porque os verdadeiros responsáveis seguirão no poder ganhando salário público.
Seria bom que se fosse fundo nessas questões.