quinta-feira, 27 de agosto de 2015

CARAGUA TEM JEITO

Precisia de um bom prefeito

PREFEITO CONSIDERA SAÚDE COMO ATIVIDADE SECUNDÁRIA

O Blog ficou sabendo que o prefeito ACS de Caraguá, esteve na reunião do conselho municipal de saúde e pediu que os conselheiros permitam que o prédio da UPA que está quase pronto ao lado da escola azul e amarela do Pegorelli, seja objeto de alguma instalação da secretaria do desenvolvimento social e não seja destinado à UPA que é uma unidade de pronto atendimento médico. Parece que ele não gosta mesmo dos pobres. O prédio recebeu verbas do governo federal para ser uma UPA e agora na última hora querem mudar a destinação. O ministério público federal se dispôs averiguar o possível desvio de finalidade. Os conselheiros precisam ter cuidado para não responderem processos na justiça caso a mudança seja considerada ilegal.

FORLIN PODE SE COMPLICAR

O apresentador do Jornal Regional da Rádio Caraguá FM, J.R. Forlin fez um comentário no ar, que foi considerado ofensivo a imagem da Cassia atual presidente do PT em Caraguatatuba. A ofendida solicitou uma cópia do programa e a emissora negou-se a entrega-la porque seria utilizada em ação judicial.
Foi ingressada uma ação na justiça com pedido de liminar para obrigar a emissora a entregar a cópia do programa e o juiz Ayrton Vidolin Marques Junior concedeu, na data de ontem 26 de agosto a medida liminar obrigando a emissora e entregar a cópia do programa.
Ao que se soube o radialista perdeu-se no controle das palavras e poderá ter sérios problemas pessoais, além da emissora que poderá sofrer processo administrativo no ministério das comunicações.

O processo tramita pela primeira vara cível sob o número 1005996-50.2015.8.26.01.26

Projeto que obriga empresas a contratar trabalhadores de Caraguá é aprovado

Os Vereadores da Câmara Municipal de Caraguatatuba aprovaram durante a 26ª sessão ordinária do ano, realizada na noite desta terça-feira, o projeto de lei 33/15, da Vereadora Vilma Teixeira de Oliveira Santos (PSDB), que autoriza o poder público a dispor sobre a obrigatoriedade na contratação de mão de obra local pelas empresas instaladas na cidade.
Todos os Parlamentares foram favoráveis a propositura, que entrou em regime de urgência para ser votada. Se sancionada, as empresas prestadoras de serviço em Caraguá, beneficiadas ou não com a concessão de incentivos fiscais, serão obrigadas, de acordo com o projeto, a contratar e manter empregados prioritariamente trabalhadores domiciliados no município, na proporção de 70% do seu quadro efetivo de funcionários.

De acordo com o projeto de Vilma, as empresas precisarão destinar 15% da reserva determinada na lei para mão de obra exclusivamente feminina. 
NOTA DO BLOG:
Pode ser que a medida seja considerada inconstitucional por se tratar de legislação trabalhista que é de exclusividade do congresso nacional e de medida discriminatória diante da constituição federal que diz que todos somos iguais perante a lei e o cidadão de Caraguá não pode ser tratado com privilégios. É o mesmo que obrigar o município a contratar ou comprar prioritariamente com empresas da cidade. É ilegal. As empresas são regidas pelo princípio da livre iniciativa, já que contratam e demitem os funcionários que melhor convêm ao seu objeto econômico. Restringir a liberdade de contratação pode perfazer interferência indevida. Imagine-se que a mão-de-obra de que a empresa necessite para o seu melhor desempenho não seja encontrada no município e  o quadro de funcionários não possa ser preenchido por conta da limitação desta lei que acaba de ser aprovada. O mais adequado seria uma lei que obrigasse a prefeitura a investir parte da arrecadação em geração de novos postos de trabalho e na qualificação da mão-de-obra local para adequar a falta de empregos e de trabalho à realidade local. O que não se pode é obrigar empresas privadas a contratar gente desqualificada profissionalmente. Contudo há de se convir que a medida torna-se simpática aos olhos dos eleitores locais e isso acaba gerando votos nas próximas eleições.

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

CORRUPÇÃO PODE COMPLICAR A VIDA DOS POLÍTICOS INCAUTOS

Os políticos brasileiros ainda não perceberam os riscos de se administrar a coisa pública, depois que a constituição de 1988 chegou de fato ao cotidiano dos cidadãos. A constituição impõe regras rígidas para os que cuidam do dinheiro público que arrecadado em forma de impostos, taxas, contribuições ou doações, compõe o orçamento que deverá servir para a construção do bem estar de todos os contribuintes. O trato desse recurso sempre foi do jeito que o gestor quisesse sem grandes cuidados ou critérios, mesmo sabendo-se que as contas públicas são monitoradas pelos tribunais de contas. O que tem mudado não é exatamente a forma de se prestarem essas contas, mas as formas de verificação de sua veracidade, e os tribunais estão a cada dia mais criteriosos na avaliação dos atos de gerenciamento. As contratações de terceiros para prestarem serviços públicos, e as compras sem licitação ou com licitação irregular, são o grande vilão dos últimos tempos e mostram inúmeras irregularidades que uma vez detectadas viram sérios problemas para os gestores menos atentos. Uma vez que o tribunal de contas localiza alguma irregularidade, ele envia cópia do relatório ao ministério público e outra às câmaras municipais para as providências de praxe. No caso das câmaras, elas têm que submeter o relatório à votação do plenário que decidirá se rejeitam ou aprovam as contas do prefeito, e caso os vereadores rejeitem essas contas o prefeito estará inelegível por cinco anos segundo a lei de ficha limpa. No caso do ministério público, o promotor deve ingressar com ação civil pública na justiça e os juízes julgarão pela aprovação ou não das contas, com base no conteúdo do relatório e, se a justiça resolve jugar pela rejeição das contas o prefeito e os demais responsáveis pelos erros serão condenados a devolver os valores dos prejuízos causados ao erário, à perda do cargo público, inclusive o servidor que tenha participação dos erros, e ainda estarão inelegíveis por oitos anos. As leis que aumentaram os riscos dos políticos, são quase todas da década de 90, como a lei das licitações, do ministério público, da improbidade administrativa, do meio ambiente e outras que elevam o risco de quem governa de maneira temerária. Só na região do Litoral Norte e Vale do Paraíba, a maioria dos ex-prefeitos e presidentes de câmaras municipais estão inelegíveis por não terem adotado os cuidados necessários na gestão da coisa pública.
Os escândalos da operação “lava jato” mostram que quanto mais se mexe, mais sujeiras aparecem e quase todos os partidos e políticos, estão com seus rabos de palha expostos.
Por isso quem for eleito prefeito no ano que vem vai ter que saber que o seu patrimônio particular responde pelos prejuízos que porventura causarem aos cofres do povo.
Se eu for eleito lá em Sucupira, onde eu tenho o meu domicílio eleitoral, não vou nomear parentes de políticos, nem cabos eleitorais para os cargos do meu governo, e vou compor o meu estafe com pessoas competentes e comprometidas com a seriedade no trato do dinheiro do povo da minha terra. Sucupira vai mostrar ao mundo que é possível ser honesto no poder.

Essa frase seria dita pelo grande líder popular Odorico Paraguaçu.

O JORNAL NOROESTE NEWS MEXE NAS CABEÇAS

Tem sido comum as pessoas me pararem nas ruas para elogiar os meus artigos que são publicados semanalmente nesse respeitável órgão de imprensa. As pessoas dizem que concordam com os enfoques que temos dado às questões relacionadas à politica regional ou nacional. Isso só faz aumentar a nossa responsabilidade porque a carência de informações equilibradas pode ser muito maior do que se imagina. As pessoas mostram que querem entender o jogo do poder já que todos os políticos que estão no poder acabam fazendo da mídia uma bandeira de suas pretensões futuras e assim falseiam as informações segundo o interesse político desses grupos.
O Jornal Noroeste News tem pautado as suas matérias de forma equilibrada e assim faz um papel de grande importância. regional. Os leitores dos meus artigos têm afirmado que procuram o jornal semanalmente para se informarem de maneira mais confiável e eu agradeço a esses elogios com o compromisso de ser sempre independente nas minhas manifestações.

PSC APRESENTA A NOVA DIREÇÃO EM CARAGUÁ

Ontem recebemos um telefonema do amigo Álvaro Alencar nos convidando para a apresentação pública da nova direção do PSC em Caraguatatuba, que se dará em evento a ser realizado na câmara municipal de Caraguatatuba e que contará com a presença do prefeito Hernane de São Sebastião que é quem coordena os interesses da sigla aqui no litoral norte. Estaremos por lá prestigiando o evento pelo PROS- Partido Republicano da Ordem Social.

AI ALGUÉM LIGOU E....

"João Lúcio,você poderia retirar do Blog a matéria tal, porque fui eu quem te mandou por descuido e estão me enchendo o saco por ter te mandado tal matéria."
O Blog não tem a finalidade de prejudicar pessoas que trabalham honestamente, e por isso retiramos a matéria do Blog, para preservar  pessoas que merecem consideração.
Os políticos fazem um monte de porcaria no poder e depois querem que se publiquem somente as que lhes agradam. É verdade que há órgãos de imprensa que se prestam a proteger os donos do poder mesmo que eles sejam desonestos, corruptos, bêbados, drogados, ladrões e coisas mais. O Blog do João Lúcio tem buscado um linha confiável de publicações e isso às vezes fere o interesse da corja que ocupa poder por esse Brasil a fora.
Um das fofoqueiras de plantão que só consegue viver com dinheiro público, mesmo sem ter nenhuma profissão anda criticando uma publicação do Blog que fala de campanha eleitoral fora de época, e diz que o Blog é inconveniente.
O ano que vem está chegando e tem muita gente que não presta pra nada, mas que vive pendurada no poder, que vai ter que desocupar as cadeiras e quem sabe buscar outras formas de vida, mais honestas do que fazer fofocas politiqueiras e ganharem pra isso.
O novo prefeito de cidade deverá ser alguém que não goste de puxa-sacos e nem de incompetentes que só sabem andar por ai pedindo votos para as próximas eleições sem produzir nada de útil para o cidadão que paga impostos e vê o seu dinheiro servindo de salários indignos e indevidos. Nas urnas o povo vai "botar" esse povo pra fora e a imprensa será livre e poderá publicar tudo o que for de interesse do povo.

O TERCEIRO SETOR FICOU BRAVO

Na capital paulista a câmara de vereadores aprovou ontem o plano municipal de educação que vai ser implementado nos próximos dez anos e os debates foram notados destacadamente em um tema de relevância duvidosa. As comunidade gays fizeram um grande movimento nas imediações do prédio da câmara e defendia que fosse incluído no plano a educação sexual envolvendo o combate enérgico ao preconceito homofóbico. Os religiosos das diversas crenças não aceitavam a inclusão deste tema no plano porque sexualidade não é assunto de escola, mas das famílias. O fato virou o centro das discussões com os gays muito bravos por terem sido vencidos em suas pretensões. Acabou prevalecendo a redação genérica que apenas propõe o combate a qualquer espécie de preconceito ou de discriminação, sem nenhuma alusão específica à sexualidade.
Será tão importante assim a defesa do direito ao homossexualismo?

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

MÃE CORUJA FAZ CAMPANHA FORA DE ÉPOCA

Era para ser apenas uma reunião eventual de algumas pessoas ligadas às crenças evangélicas, mas eis que de repente entra uma senhora já meio idosa, bem vestida que nunca antes estivera por lá. A reunião teve seu início e dessa vez não foi como sempre porque aquela senhora apresentou-se como mãe de um vereador e fez um discurso para afinal dizer que seu filho, o tal vereador, é candidato a prefeito e vai ter o apoio do atual prefeito da cidade. A tal senhora também informou que numa pesquisa feita recentemente na cidade o seu filho teve mais de 40% de indicações enquanto que um ex-prefeito teve cerca de 205%.
Mãe é sempre a mesma coisa e só muda o endereço, mas essa é tão mentirosa e nem fica vermelha.
Alguém resolveu questioná-la e afirmou ter tido outra informação da mesma pesquisa e naquela versão o seu filho teria cerca de 4% e não 40% como dissera a mãe fanática. A velha ficou uma fera e disse que isso é coisa de adversários do seu filho. Exagerou de novo porque seu filhinho ainda não cresceu suficientemente para ter adversários políticos.
O fato é que ainda não está autorizada a campanha eleitoral e a mãe coruja vai acabar prejudicando o filho.

Já tem gente de olho pra filmar essa campanha fora de época. Se liga vovó. Se liga.

domingo, 16 de agosto de 2015

TIRAR A DILMA PRA POR O QUE NO LUGAR?

Hoje o povo voltou às ruas em diversas cidades do Brasil, para se manifestar contra o governo Dilma, e a surpresa é que todos esperavam muito mais gente do que se viu nas ruas. Em São Paulo foram 300 mil segundo algumas fontes ou 800 mil segundo outras fontes o que não se aproxima da indignação demonstrada nas pesquisas divulgadas nos últimos dias em que a presidente Dilma teria menos de 10% de aprovação popular. Em primeiro momento é importante considerar que não é pouca gente sejam 300 mil ou 800 mil,  e isso tem um significado importante na avaliação do governo atual. A pergunta que se pode fazer é simples e todo mundo a tem feito diariamente: Tirar a Dilma para pôr o que no lugar? Não há no Brasil nenhum partido de grande porte em que o povo consiga confiar. O PT está desmoralizado em grande parte por conta dos seus membros que estão sendo acusados de corrupção; o PSDB não tem conseguido se mostrar como uma alternativa confiável e tem lá os seus problemas, com a credibilidade popular. Se não fosse assim o Aécio teria sido eleito para presidente da república, mas perdeu pra Dilma em Minas sua terra natal, por ele governada por oito anos. O PMDB é considerado uma grande colcha de retalhos que agasalha desde o Temer até o Eduardo Cunha uma figura fantasmagórica que surgiu do nada e virou a grande salvação nacional. Um partidão sem cor, nem cara, aliás com a cara do Renan Calheiros que de noite é Dilma e de dia é ele mesmo.
As pessoas que foram pras ruas, criticam a Dilma como se criticassem a toda a classe política brasileira que perdeu completamente as referências e deixou o povo sem rumo e sem direção.
A conclusão que se pode tirar de tudo isso é que a saída da Dilma, neste momento, só iria deixar a cadeira vazia, e não iria resolver os problemas do Brasil que não são somente questão de economia mais ou menos acelerada, mas uma grande crise moral onde cada um quer meter a mão sem ser notado, e que se dane a coletividade. Prefeitos já cassados continuam no poder por força de liminares ou da lerdeza providencial do poder judiciário que leva décadas para resolver questões que envolvem políticos. Vereadores com mandatos seguidos conseguidos com verbas da corrupção deslavada, dos “mensalinhos” e “mensalões” pagos para que eles estejam sempre do lado dos corruptos do poder executivo. O Brasil tem sido uma espécie de quadrilha generalizada onde uns fecham os olhos dos outros e os outros fecham os olhos de uns, tudo com dinheiro público roubado ou desviado. Deputados que só sabem pedir dinheiro para obras em suas bases e dinheiro de empresas e negócios para “compra” de votos. Deputados e vereadores são eleitos para fiscalizarem os prefeitos e governadores, mas se escondem atrás das verbas públicas e, ao conseguirem umas cadeiras de rodas, um equipamento de Raio X para uma Santa Casa, ou uma ambulância, e o serviço de fiscalizar o executivo não fazem se não podem perder as verbas que vão enganar os eleitores incautos nas próximas eleições.

Derrubar a Dilma não vai resolver nada disso que acontece na nossa cara, mas nós, idiotas que temos sido, preferimos achar que o negócio é derrubar a Dilma e pronto estará tudo resolvido no Brasil. 800 

sábado, 15 de agosto de 2015

LEVARAM UM SUSTO. BEM FEITO!

Não sei por sugestão de quem, mas puseram o meu nome na pesquisa de candidatos a prefeito da cidade e levaram um bom susto. O índice de aprovação espontânea mostrou que o povo quer mudar tudo e de preferência mandar os bandidos locais pra cadeia. Chupa que é de uva!...
A verdade é que nem sei se aceitaria essa bagaça dessa prefeitura depois de tantas malandragens. Quem assumir esse risco vai estar exposto a um monte de complicações. O primeiro ato do novo prefeito tem que ser a suspensão de todos os pagamentos e a análise detalhada de todos os contratos que esse povo vai deixar pendentes. Quem pagar o que não deveria ser pago pode ser até preso pela policia federal que vem apertando o cerco. Ser prefeito depois de um mandato temerário é loucura. Mas se não houver outro maluco que deseje substituir o bando de doidos, nós vamos á luta. Se isso acontecer o secretariado será composto por um monte de jovens inteligentes que ainda não aprenderam a safadeza da corrupção. Vou prepará-los para o futuro que não terá mais espertos, porque todos estarão passando férias forçadas na Papuda, no Pedrinhas ou em Bangú II
Se ninguém topar encarar o bando de loucos nós vamos pras cabeças e quem sabe dá zebra dessa vez?
Se quiser vir junto nessa luta maluca, filie-se ao PROS, pelo meu E-mail joaolucioteixeira@gmail.com

POR E-mail de VITOR MIKI

NOVA IMPRENSA
Casas do Residencial Jetuba são entregues sem presença de autoridades

Cerimônia foi agendada após adiamentos e pressão dos futuros mutuários

Após pressão nos últimos dias e dois adiamentos, a Caixa Econômica Federal (CEF) realizou na tarde deste sábado (8) a entrega das 500 unidades habitacionais do Residencial Jetuba “Sylvio Luis dos Santos”, na região norte de Caraguá. Centenas de contemplados fizeram fila na portaria para receber suas chaves. Alguns deles esperaram mais de três horas sob o sol de quase 35 graus para receber a autorização de entrada no seu imóvel.

Porém, o que mais chamou a atenção foi a ausência de autoridades municipais, estaduais e federais. Além disso, nenhum representante da CEF foi designado para atender a imprensa presente no local e explicar os reais motivos dos adiamentos para a entrega das chaves.
Por outro lado, os contemplados mostravam ansiedade para entrar em seus novos lares. Este é o caso de Valdenira Lemes dos Santos, 51 anos. Ela morava no bairro do Tinga, na região central e aguardava por uma casa popular desde 2009.

“Estava muito ansiosa por este momento. É muito bom deixar de pagar aluguel e agora entrar num lugar que será nosso”, disse ela que é portadora de necessidades especiais e vai morar na primeira quadra do conjunto.

Já dona Maria de Lourdes, 64 anos, disse esperar por oito anos para ter sua casa. “Morava no Rio do Ouro com parentes e graças a Deus posso morar em um lugar que será meu e já marquei minha mudança para este domingo”. Porém, a mutuária também reclamou sobre os constantes adiamentos de entrega. “Tenho problema de saúde e sem saber o que ia acontecer quase tive um infarto, mas agora estou aqui”.
Dona Dalva Pereira, 55 anos, ex-moradora do Massaguaçu, bairro nas proximidades, fez questão de frisar o quanto é importante deixar de pagar aluguel. “Tinha que separar R$ 600 por mês por uma coisa que não era minha. Agora tenho minha casa e estou muito feliz”.

A reportagem percorreu todo o residencial e observou que algumas unidades não estão totalmente completas de infraestrutura como, por exemplo, na casa dos portadores de necessidades especiais, que ainda faltam barras nos banheiros. Já nas últimas quadras, outras casas não possuem registro de água.

Funcionários da CEF informaram, extraoficialmente, que os ajustes serão feitos durante a próxima semana e que as unidades que não têm registro são de moradores que vão se mudar somente depois do dia 15 de agosto e que a Sabesp fará as conexões.


As famílias beneficiadas contam com casas geminadas (dois quartos, sala, cozinha, banheiro e área de serviço), com 47,93 m², construídas em lotes de 123 m² e com toda infraestrutura de pavimentação e área de lazer. São 15 imóveis reservados para pessoas com deficiência. Foram investidos aproximadamente R$ 45 milhões, sendo R$ 35 milhões do Governo Federal e outros R$ 10 milhões do Governo do Estado de São Paulo.

sábado, 8 de agosto de 2015

EDITORIAL DO JORNAL O GLOBO DE 7-8-2015

Manipulação do Congresso ultrapassa limites

Em guerra particular com Dilma e PT, presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ajuda a desmontar base do governo e contribui para agravar crise econômica

por

Há momentos nas crises que impõem a avaliação da importância do que está em jogo. Os fatos das últimas semanas e, em especial, de quarta-feira, com as evidências do desmoronamento da já fissurada base parlamentar do governo, indicam que se chegou a uma bifurcação: vale mais o destino de políticos proeminentes ou a estabilidade institucional do país?
Mesmo o mais ingênuo baixo-clero entende que o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), age de forma assumida como oposição ao governo Dilma na tentativa de demonstrar força para escapar de ser denunciado ao Supremo, condenado e perder o mandato, por envolvimento nas traficâncias financeiras desvendadas pela Lava-Jato. Daí, trabalhar pela aprovação de “pautas-bomba”, destinadas a explodir o Orçamento e, em consequência, queira ou não, desestabilizar de vez a própria economia brasileira.
Até há pouco, o presidente do Senado, o também peemedebista Renan Calheiros (AL), igualmente investigado na Lava-Jato, agia na mesma direção, sempre com o apoio jovial e inconsequente dos tucanos. Porém, na terça, antes de almoço com o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, Renan declarou não ser governista, mas também não atuar como oposicionista, seguindo o presidente da Câmara, e descartou a aprovação desses projetos-bomba pelo Congresso. Um gesto de sensatez.
A Câmara retomou as votações na quarta, com mais uma aprovação irresponsável, da PEC 443, que vincula os salários da Advocacia-Geral da União, delegados civis e federais a 90,25% da remuneração dos ministros do Supremo. Espeta-se uma conta adicional de R$ 2,4 bilhões, por ano, nas costas do contribuinte. Reafirma-se a estratégia suicida de encurralar Dilma, por meio da explosão do Orçamento, e isso numa fase crítica de ajuste fiscal. É uma clássica marcha da insensatez.
Os sinais de esfarelamento da base parlamentar do governo foram reforçados pelo anúncio de PDT e PTB de que não votarão mais com o Planalto. A crise avança para reduzir ainda mais a estreita margem que o governo tem no Congresso para combater os desajustes da economia. Justificou-se, assim, a iniciativa do vice-presidente, Michel Temer (PMDB), principal articulador político do Planalto, de fazer tensa declaração de reconhecimento da gravidade da situação e apelar para que haja um entendimento amplo a fim de conter a bola de neve de duas crises que se alimentam, a política e a econômica.
Somou-se à atitude de Temer a ida do ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, à Câmara para, entre elogios ao PSDB e reconhecimento de erros cometidos pelo PT, propor um “acordo suprapartidário” diante da situação difícil na política e na economia. Algo nunca visto por parte de um petista estrelado. Mais um teste de maturidade para os tucanos.Se a conjuntura já é muito ruim, a situação piora com o deputado Eduardo Cunha manipulando com habilidade o Legislativo na sua guerra particular contra Dilma e petistas. Equivale ao uso de arma nuclear em briga de rua, e com a conivência de todos os partidos, inclusive os da oposição.
É preciso entender que a crise política, enquanto corrói a capacidade de governar do Planalto, turbina a crise econômica, por degradar as expectativas e paralisar o Executivo. Dessa forma, a nota de risco do Brasil irá mesmo para abaixo do “grau de investimento”, com todas as implicações previsíveis: redução de investimentos externos, diretos e para aplicações financeiras; portanto, maiores desvalorizações cambiais, cujo resultado será novo choque de inflação. Logo, a recessão tenderá a ser mais longa, bem como, em decorrência, o ciclo de desemprego e queda de renda.
Tudo isso deveria aproximar os políticos responsáveis de todos os partidos para dar condições de governabilidade ao Planalto.


Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/opiniao/manipulacao-do-congresso-ultrapassa-limites-17109534#ixzz3iHBy0e6r
© 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização. 

NOTA DO BLOG: Não há santos nessa historia política brasileira e o que se avista é um grupo de espertalhões querendo tomar de assalto um poder que foi conseguido pelo voto direto, e não pode ser derrubado por um bando de salafrários que estão sendo investigados pela polícia federal e por isso se desesperam na busca da impunidade. Não é fácil defender a Dilma cujo governo não vai bem, mas colocar o país com 200 milhões de pessoas nas mãos da tradicional bandidagem política não pode ser um bom caminho. O PSDB está orquestrando uma campanha que pode por em perigo a democracia das eleições diretas e secretas que deram o voto à Dilma. Juízo faz bem e o melhor seria que o novo presidente fosse eleito pelo povo e tivesse os eu mandato respeitado, a menos que fosse pego em algum ato que justificasse o impeachment. Golpe não pode ser o melhor caminho. Calheiros já se rendeu a essa realidade, mas o Aécio e o Eduardo Cunha ainda estão com sede de sangue e o ódio não é bom conselheiro.

A FONTE É A REVISTA "CARTA CAPITAL".

Sob alto patrocínio do PSDB, a manifestação do dia 16 de agosto, marcada para acontecer em diversas cidades do País, marchará com aquele já conhecido leque difuso de objetivos. Que ninguém se surpreenda, portanto, com a velha inscrição no estandarte, onde se apela para o retorno da ditadura militar. O movimento, composto de cidadãos que transitam do conservadorismo ao reacionarismo, será sustentado, mais uma vez, por estratos sociais do topo da pirâmide de classes. 
Caso os integrantes da base dessa pirâmide, formada por uma imensa maioria de pobres e remediados, passem nas imediações do movimento, vai ver tudo com certa perplexidade. Quem sois? Há diferenças marcantes entre o Brasil de cima e o Brasil de baixo. Ao contrário dos manifestantes, os passantes ocasionais não terão ódio nos olhos. Estarão mais preocupados com a crise econômica, para eles traduzida em inflação e desemprego, precedente à crise política forjada no oportunismo. Essa marcha será um marco. Lance importante para os objetivos presidenciais de Aécio Neves. A única chance dele é a queda de Dilma. Imediatamente.
Os movimentos sociais não se formam por combustão espontânea. Por isso ele, derrotado na eleição presidencial de 2014, tornou-se porta-voz político da marcha anunciada, parte do golpe contra Dilma camuflado pelo mecanismo do impeachment
Nos últimos dias, na discussão desse tema teve sempre presente o senador Aécio Neves, como ocorreu no encontro realizado na casa do senador tucano Tasso Jereissati. “O clima era de conspiração”, revelou um dos presentes ao jornal O Globo, de 7 de agosto. Aécio estava lá.  Quase tudo se assemelha a uma repetição farsante do movimento civil-militar de 1964 que depôs o presidente João Goulart. 
Carlos Lacerda, governador do extinto estado da Guanabara, era a expressão máxima da oposição naquela época. Há uma grande distância no tempo. A distância, porém, não supera a presença da ambição pelo poder a qualquer preço, comum a Lacerda e a Aécio.
Aécio Neves acredita que um incêndio no País pode levá-lo à Presidência da República. Pós-golpe, Lacerda, candidato antecipado à eleição para presidente, marcada para 1965, pensava o mesmo e acabou cassado. Golpes e revoluções costumam engolir seus líderes. Há também diferenças entre a composição dos dois movimentos, distantes um do outro. Os militares, atuantes em 1964, estão nos quartéis. Como convém.  No plano pessoal, existem também diferenças entre um e outro.
Lacerda era apelidado de “Corvo”. Alguém, se quiser, pode batizar Aécio de “Abutre”. Essa ave, como se sabe, sacia-se da carniça. Sobrevoa a vítima. Sangrar foi, até agora, o comportamento da oposição diante de um governo sufocado pela impopularidade. Assim, o Abutre prepara o ataque final. No plano pessoal, Lacerda emergiu como orador culto e brilhante. Aécio, ao contrário, é opaco e carece de maiores recursos intelectuais.
Aécio não irá à passeata. Acompanhará pela televisão. Vez por outra, olhará os passantes do alto da cobertura onde mora, nos limites do Leblon e Ipanema, bairros elegantes da zona sul carioca. Estará preocupado em medir o resultado da marcha. Ele não meditará sobre a fantasmagórica questão que assusta os golpistas no momento do golpe: “Sempre se sabe como começa, e nunca como termina”.

NOTA NOSSA: O Brasil passa por uma fase complicada que nem as mocinhas que atingem a adolescência, ao verem que agora têm peito, pelos e, como mulheres, não sabem o que fazer com a sua virgindade. Somos uma república em plena adolescência que precisa buscar o melhor caminho para o seu futuro adulto que em breve chegará. A queda da Dilma de forma precoce pode mesmo uma série de insatisfações e incertezas, e se isso resultar em convulsão social, o resultado poderá ser desastroso para a mocinha adolescente que estuprada estará marcada para sempre. As eleições são o melhor caminho para a transição de um passado sombrio para um futuro tranquilo. A confusão só interessa aos ávidos pelo poder a qualquer custo. O governo Dilma está péssimo, mas nada seria pior do que uma desordem social sem controle, e talvez sem esperanças. Ruim está, mas pode ficar pior.