quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

PREFEITO DE CARAGUÁ TEM CONTAS REJEITADAS

As contas anuais da prefeitura de Caraguatatuba foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado, por haver ele repassado à Câmara de Vereadores valor maior do que permite a constituição federal. Houve recursos, mas foram rejeitados e o prefeito ingressou com uma ação de anulação de ato jurídico contra o TCE e conseguiu uma liminar para suspender por ora os efeitos do julgamento do TCE. O mérito da ação ainda não foi julgado.
Caso fique comprovado o excesso de repasses, o prefeito poderá responder cível e criminalmente com obrigação de devolução de valores e ainda sujeitar-se à pena restritiva de liberdade em caso de acionamento criminal. O mesmo aconteceu com o Aguilar quando era prefeito e por isso está inelegível.

COMENTÁRIOS

Qualquer leitor que desejar comentar algum assunto no Blog pode fazê-lo. Basta clicar na janela comentários situada no roda-pé de cada publicação, que aparecerá uma janela onde o leitor poderá digitar os eu comentário. Claro que ele só será publicado depois da verificação pela direção do Blog que se reserva o direito de filtrar por conta da responsabilidade sobre o conteúdo.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

UMA REFLEXÃO SOBRE PENA DE MORTE

O homem moderno vive um grande dilema quando tem que externar a sua posição sobre certos tabus, como a eutanásia, aborto e pena de morte.  Agora o que está na moda é discutir pena de morte, assunto que veio à toma com a notícia de que um brasileiro de nome Marco Archer Moreira, de 53 anos de idade, seria executado com tiros de fuzil por ter tentado ingressar no território da Indonésia com alguns quilos de cocaína escondidos nos tubos de um equipamento de vôo livre, denominado de asa delta. Segundo consta não foi a primeira vez que o mesmo cidadão fez isso, só que nas anteriores não foi pego.
Ao ser anunciada a data do fuzilamento, a presidente Dilma pediu clemência ao governo da Indonésia e não foi atendida, porque na campanha eleitoral do atual presidente da república de lá, ele prometeu que seria muito severo com o tráfico de drogas e que as penas de morte seriam de fato executadas.
No último sábado o rapaz foi executado e as suas cinzas foram entregues à família.
No Brasil, a repercussão gerou um debate alimentado pela mídia do rádio e TV e até pela internet com pessoas se posicionando contra a pena de morte por princípios religiosos, e outras achando que o Brasil deveria fazer o mesmo com os seus traficantes.
Pelo que se ouviu nas ruas, era muito maior o número das pessoas que achavam que o governo Indonésio estava certo, e que se o brasileiro sabia que lá a pena era a de morte, ele correu o risco consciente, mas, talvez, como muitos outros brasileiros, achava que não ia dar em nada e que não seria executado. Errou na sua avaliação e pagou com a vida a coragem de desafiar um governo de país tão diferente do nosso.
Depois de tantos debates nos bares, clubes, locais de trabalho e etc. a pergunta que fica no ar, é a seguinte: Será que se o povo brasileiro fosse chamado a um plebiscito para decidir pela implantação da pena de morte para traficantes, ele votaria a favor?
Há regiões do Brasil como São Paulo e Rio de Janeiro, agora também o Maranhão, que certamente aprovariam a medida em grande maioria de seus eleitores, mas há regiões como Minas Gerais, cujos princípios de vida estão calcados na religião, que certamente votaria “não”.
Se fosse aprovada a pena de morte no Brasil, o problema seria executar a sentença, porque durante o período em que o condenado permanecesse no corredor da morte, certamente as igrejas, os políticos e sei lá mais quem, iriam fazer uma pressão tão grande que nenhum réu morreria executado. Lá na Indonésia o presidente tem a prerrogativa de conceder ou não a clemência e evitar a execução. Se fosse assim no Brasil, certamente a presidente Dilma, como fez com o seu pedido de clemência ao governo da Indonésia, iria perdoar o condenado, até porque ele seria um voto certo nela ou no seu sucessor na próxima eleição.
Será que o carrasco não levaria uma boa propina do tráfico para errar o tiro?   
Ou quem sabe, um bando de deputados e senadores corruptos promoveriam uma mudança na constituição para proibir pena de morte, com efeito retroativo para salvar todos os que estivessem no corredor da morte.
Ou seja, aqui não há pena de morte porque seria ela mais um motivo para policiais mudarem os boletins de ocorrência passando de tráfico para uso, mesmo que fossem toneladas, para legistas mudarem o laudo para dizer que era açúcar e não cocaína a rés apreendida no momento do flagrante, ou ainda para o delegado mudar todo o conteúdo e simplesmente soltar o réu ao invés de prendê-lo.
Lá a coisa foi levada a sério, isso pode ser terrível, mas se a crise é moral, com pessoas burlando as leis acintosamente, mesmo sabendo que causam danos aos outros, é possível que o povo brasileiro desejasse eliminar os seus malfeitores ao invés de permitir essa ideia de impunidade que tem feito da nossa terra, a terra dos safados espertalhões que fraudam, corrompem, e se deixam corromper, porque sabem que “vai dar em nada” lá no final.
Não estou defendendo a implantação da pena de morte, mas se a maioria do povo desejasse, assim como a liberação da maconha no Uruguai, que aconteceu pela manifesta vontade da maioria da população, estaria correto implantar pena de morte no Brasil diante do prevalecimento da vontade da maioria que é a base da democracia. A consulta seria oportuna e quem sabe muita gente deixaria de ser tão folgada neste país que chamam de país da impunidade e da corrupção.
Aliás, consulta pública deveria ser mais comum por aqui ao invés de os governantes decidirem tudo dentro das paredes intransponíveis dos palácios.
Caso fosse aceita a nossa ideia de consultar o povo através de um plebiscito, que incluíssem entre os crimes a serem punidos com a pena capital, o de corrupção que faz tanto mal quanto o tráfico de drogas. Aliás, quem sabe não moralizaria essa droga de poder público brasileiro ocupado em grande escala por “traficantes de dinheiro público”.

João Lúcio Teixeira

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

CHEGA DE TERCEIRIZAÇÕES

Pelos corredores do governo federal, há uma encruzilhada de difícil superação, no que diz respeito ao caso Petrobrás. Sem puxar as brasas para a sardinha de ninguém há quem diga que se punirem todas as construtoras envolvidas no escândalo da corrupção e super-faturamento, as obras vão ser paralisadas e o risco de prejuízos seria maior.
A safadeza é tão profunda que sem ela, não há negócios e sem negócios não há obra e sem obra, para tudo.
Ai eu pensei, pensei e vi o fundo desse imbróglio. Antigamente o DER- Departamento Estadual de Estradas de Rodagem, bem como o DNER- Departamento Nacional de Estradas de Rodagem, eram órgãos públicos com engenheiros concursados, trabalhadores efetivos e o próprio governo construía as suas obras, sem a intervenção de tantas empresas terceirizadas, que só entravam onde o governo não tinha condições de realizar. De uns tempos até hoje, a coisa mudou radicalmente e as secretarias de obras tanto, federal, como estadual e municipal, têm apenas um ministro ou secretário e uns quatro gatos pingados que controlam o nada.
Numa festa recentemente vi alguém defendendo a ideia de que sem terceirizar, a coisa não anda, numa clara alusão à afirmação de que servidor público não funciona. Partindo-se dessa premissa, com a qual não concordamos, vamos chegar à pergunta que não se responde. Por que tantos concursos públicos se servidor não “serve”?
Não se deve radicalizar nem ao céu nem à terra, mas não seria o caso de se pensar em manter quadros de trabalhadores públicos e reduzir terceirizações? Claro que a resposta pode ser sim ou não, mas não é proibido imaginar que com trabalhadores públicos seriam pagos os salários dos trabalhadores e nada mais, enquanto atualmente os trabalhadores recebem e muita gente que não trabalha na obra recebe também.
Será que construir com trabalhadores públicos fica mais caro do que essa farra do boi que se observa hoje? Sei não!...

Ah! Sei sim. É que os trabalhadores públicos não iriam financiar campanhas eleitorais de uns e outros por ai. Entendeu?

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

ILHABELA UM MAU EXEMPLO EM PRIORIDADES DE GOVERNO

No jornal da Vanguarda agora cedo viu-se a noticia de que das 18 praias de Ilhabela, 8 estão impróprias para o banho em pleno verão com temperaturas previstas para 36 graus com sensação térmica de 42 graus. O calor é intenso e metade das praias  estão impróprias. A cidade investe alto na construção de um teatro, na construção de nova avenidas e não investe o suficiente na coleta e tratamento de esgoto. O risco é ter-se uma população confortavelmente doentia se os coliformes fecais não forem eliminados da natureza. Ai a indagação: O que será de fato importante nos investimentos públicos?
A nossa crítica pretende ser construtiva, somente aos olhos dos que pensam coletivamente e não eleitoralmente.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

UM LEITOR PEDIU E NÓS ESCLARECEMOS (SOBEM PASSAGENS INTERMUNICIPAIS)

As tarifas das linhas de ônibus intermunicipais e transporte sobre trilhos vão ficar, em média, 16,6% mais caras no Vale do Paraíba a partir desta terça-feira (6). A medida autoriza o reajuste no valor das passagens de dez empresas que operam na região. O valor não era reajustado desde novembro de 2012, ocasião em que foi elevado em 6,85% pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp). Segundo a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), que autorizou o aumento, o reajuste neste ano está abaixo dos 17% de inflação acumulada desde o último reajuste.
As empresas que aplicarão o reajuste são a ABC Transportes, Breda, Cinter, Expresso Gardência, Litorânea, Pássaro Marron, Redenção, Viação São José, Santa Branca Transportes e Viação Jacareí - para linhas rodoviárias e interurbanas.
São transportados, em média, 2 milhões de passageiros por mês pelo transporte intermunicipal na região, segundo a EMTU.
Gasto extra
Um trabalhador, por exemplo, que vai e volta para o trabalho de ônibus, no trajeto entre São José e Taubaté, durante 22 dias úteis por mês vai gastar R$ 198 - acréscimo de R$ 28,60, sem considerar a cobrança da tarifa de embarque, imposta aos passageiros em parte das rodoviárias da região.
Quem, por exemplo, mora em Pindamonhangaba e trabalha em Taubaté, e usa o ônibus da ABC no itinerário entre o centro de Pinda e o Taubaté Shopping, vai ter que desembolsar R$ 0,55 a mais pela passagem por dia - de R$ 3,30 para R$ 3,85.
O valor da passagem do transporte intermunicipal entre Jacareí e Caçapava, operado pela Viação Jacareí,  passará de R$ 3,30 para R$ 3,75, uma alta de 17%.  Já a linha entre São José dos Campos e Jacareí, via zona sul de São José, passará de R$ 3,05 para R$ 3,55. A linha que cruza a via Dutra, aumentará de R$ 3,30 para R$ 3,85.
EFCJ
A tarifa na Estrada de Ferro de Campos do Jordão (EFCJ) também terá reajuste. No trajeto entre o Capivari e o Portal de Campos do Jordão, o valor sobe R$ 1 - de R$ 11 para R$ 12. O trem que faz passeios turísticos de 2h30 na serra, entre Santo Antônio do Pinhal e Campos do Jordão, também sobe, dos atuais R$ 45 para R$ 48.


UM SERRALHEIRO EM PÂNICO NA FILA DA SAÚDE EM CARAGUÁ

A saúde é um grande problema na gestão do Prefeito Antônio Carlos em Caraguatatuba, e quem está pagando o pato é o pobre.
Agora foi um trabalhador serralheiro que está com sérios problemas na coluna vertebral, com sintomas semelhantes ao de uma hérnia de disco, que provoca dores nas pernas e o impede de ter uma vida normal.
Ele nos procurou para pedir que publicássemos o seu caso, porque não aguenta mais a humilhação de sofrer dores terríveis e não conseguir contar nem com a qualidade do serviço de saúde porque nem consegue acessar o sistema e nem com a solidariedade humana dos que assistem o seu dilema e não lhe dão a chance de sair do estado de sofrimento intenso. Foi a um posto de saúde e o encaminharam para o AME, Ambulatório de Especialidades Médicas de Caraguatatuba, órgão do governo do estado criado há uns sete anos para acabar com as dificuldades no atendimento especializado, e ai começa o seu martírio de pedir pelo amor de Deus e nem assim conseguir a solidariedade humana dos administradores do setor que o colocam numa fila que não tem fim. O exame de raio X que foi efetuado não é suficiente nesses casos que exigem um exame de ressonância magnética. Esse exame, pelo AME leva mais de um ano se não dois, e as dores não esperam. Trabalhar como serralheiro é impossível, seu casamento também fica abalado por conta das dores que o impedem de ser um bom marido e a paciência tem limites. Não pode pegar uma criança no colo, todo por conta de um atendimento de saúde de péssima qualidade na rede pública municipal. A secretaria de saúde de Caraguá já teve mais de dez secretários em seis anos o que mostra bem a falta de capacidade da prefeitura em conseguir alguém que de fato entenda de saúde e faça funcionar a máquina emperrada, cheia de favores e desfavores e a insegurança do prefeito que não acerta nunca nessa dança de cadeiras, que o faz campeão de troca-troca de secretários, e já se aproxima dos 80 ou 90 secretários em seis anos de governo, um governo fraco e confuso! Quem conhece alguém importante chega aos médicos e às cirurgias, mas quem não tem o mesmo “QI” fica numa fila infinda, sofrendo como o serralheiro da Serralheria Aurora, que está há mais um ano sofrendo dores, tomando medicamentos para suportá-las, precisando trabalhar, e não consegue uma ressonância porque no sistema do ACS ele não tem prioridade, e na rede particular o exame custa cerca de R$1.100,00 quantia de que ele não dispõe. Para não passar maiores necessidades, tem trabalhado uma parte do dia e passa outra parte deitado para se recompor.

Será que um dia esse governo do PSDB vai dar prioridade aos exames médicos ao invés de colocar mármore na mureta da praia?

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

BRIGAS INTERNAS NO PT E SEUS EFEITOS

Está evidenciada a divisão interna no PT, Partido dos Trabalhadores, com a entrevista da senadora Marta Suplicy, publicada na grande mídia nacional, em que critica Dilma, e alguns de seus principais ministros, com destaque para a afirmação e que o Mercandante seria inimigo de Lula. Faz severas críticas à política econômica do governo, se comportando como membro de algum partido de oposição. A saída da Marta do ministério do governo Dilma, a cerca de dois meses, já dava sinais de que dentro da legenda havia uma espécie de insatisfação de alguns grupos, e o Blog fez esse registro dias atrás quando da nomeação dos ministros. O Eduardo Suplicy afirmou há mais ou menos ano antes da eleição, em entrevista exclusiva a este Blog, que estava preocupado porque parte do PT estava a fim de dificultar a sua obtenção de legenda para a tentativa de reeleição ao cargo de senador, porque ele silenciara em relação ao pessoal acusado no processo do mensalão. Os petistas achavam que ele deveria sair publicamente na defesa dos membros do PT e isso não aconteceu.
O fato é que a Marta já teve dificuldades quando tentou ser de novo candidata a prefeita de São Paulo e foi barrada em favor do Haddad que atualmente é o prefeito da cidade. Isso irritou a uma parte do PT cuja resposta está sendo dada agora pelo grupo da Marta.
O fato não é surpresa porque a gente sabe que o poder traz sempre como resultado, as brigas internas nas disputas pelos postos importantes. Se não por questão de simples vaidade do poder pelo poder, pelo desejo de implantar ideias.
No caso do PT as tendências que formam a base de sustentação da legenda lutam pela supremacia interna com o fim de ver predominarem as suas teses.
No PSDB também se vê um enfrentamento permanente entre o grupo do Aécio e o grupo do Alckmim, que disputam a supremacia no partido, o que antes já vinha ocorrendo entre o Serra e o Geraldo Alckmim. Portanto, brigas internas em partidos políticos não são novidades, mas no PT a coisa toma mais vulto porque há uma parte importante da imprensa com tendência aburguesada, que adora dar destaque aos problemas do PT por ser um partido que nasceu das lutas operárias, enfrentou e venceu nas urnas o predomínio político da chamada classe empresarial que o PSDB representa.
Agora, a política brasileira está chegando em um ponto delicado, porque se o PT se dividir ou perder muita consistência, não há nada de muito melhor para se pôr no lugar, já que os partidos de oposição não têm uma bandeira, nem uma cara que se possa ver como acontece com o PT que tem uma organização, uma origem definida e um jeito de se posicionar em favor das classes sociais menos favorecidas. Se isso na prática agrada ou não, é outro assunto, mas que há uma identidade na postura política do PT não há nenhuma dúvida. É um partido identificado com as lutas operárias, ainda que muitos achem que ele tenha perdido grande parte de sua identidade original.
Se do outro lado, houvesse uma organização política com objetivos definidos, como ocorre em países desenvolvidos em que os republicanos, e democratas se confrontam, cada um com programas específicos, seria mais seguro para o eleitor do Brasil, que poderia decidir entre esquerda ou direita, socialismo ou capitalismo. Não dá pra dizer que qualquer coisa é melhor do que o que se tem, se no lugar se puser algo desconhecido. Seria como trocar uma faxineira antiga e séria por uma estranha por simples antipatia. É temerário. As oposições que hoje se manifestam são alguns “gatos pingados”, no senado e outros poucos na câmara federal, alguns representando os latifundiários e outros sem qualquer idealismo, em discursos pontuais contra Petrobrás, ou o mensalão, numa tentativa de conquistar votos e derrubar o sistema. O que será do Brasil se o PT, que não tem ido bem, sair e entrar em seu lugar uma colcha de retalhos formada por um monte de políticos bons de votos mas sem um grande plano para a nação. O Lula mostrava sua vocação de combate à fome, redução da miséria, agua para todos, luz para todos, e o Brasil avançou nessas áreas. Não se está aqui avaliando se isso é certo ou errado, o que se quer dizer é que o governo do PT tem uma vocação definida de reduzir as diferenças sociais. Isso agrada a alguns e desagrada a outros, mas o que não se pode negar é a vocação do partido de governar para os pobres.
O país precisa ter rumo, e o rumo de um país precisa ser planejado tendo em foco os pontos onde se quer chegar. O mundo tem se orientado pelos índices de desenvolvimento humano, como mortalidade infantil, longevidade, índices de analfabetismo, desemprego, renda familiar, e outros indicadores que mostram o nível de desenvolvimento das nações (nação é o povo politicamente organizado). Fazer obras de engenharia e combater à inflação por si só, pode não significar tudo, se não houver avanços no nível de desenvolvimento das pessoas. As arrecadações públicas precisam ser endereçadas para projetos de interesse da população como um todo e não somente para a satisfação de grupos de interesses.
A divisão do PT que ocorre atualmente é um indicador de que pode haver cisão de parte de sua militância e dá até para prever a criação de nova sigla, como já ocorreu com o MDB nos anos oitenta, para o nascimento do PSDB de Montoro, Covas e companhia e o nascimento do MDB do Quércia e do Ulisses Guimarães.
Verdade que parte do PT é esquerda consciente (com foco nas diferenças sociais) e outra parte nem tanto, e é verdade que para governar nos termos atuais é necessário negociar com uma certa bandidagem política que detém o poder de complicar a vida do presidente. Essas negociações geram desgastes e os desgastes depois de acumulados podem gerar cisões. Entretanto, cabe afirmar-se que o Brasil não acabará se o PT se dividir porque ele está acima de tudo isso, mas há que admitir-se também que se o PT implodir não há nada conhecido para se pôr no lugar, e o estranho pode não ser bom, principalmente se se tratar de alguma colcha de retalhos sem identidade, projeto ou programa. Melhor lidar com o que se conhece do que com o estranho. Em matéria de política o correto é saber onde andar e qual o futuro a ser conquistado. Um povo precisa de ver seus impostos aplicados na qualidade dos serviços públicos que são de péssimo, ainda que paguemos muito alto para termos o pouco que nos oferecem.

João Lúcio Teixeira

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

RELIGIÃO NOS TEMPLOS E GOVERNOS NOS PALÁCIOS

Nesta semana de janeiro de 2015 a França foi alvo de um atentado político-religioso, em que dois terroristas religiosos islâmicos invadiram a sede de um jornal francês e mataram dois profissionais de imprensa, que segundo eles, criticaram através de charges o deus islâmico Maomé. O mesmo jornal já fez críticas ao cristianismo, ao budismo e a outras formas de religião, mas não receberam nenhuma ameaça até então. Agora, após uma publicação humorística sobre as práticas religiosas islâmicas, o jornal teve assassinados dois profissionais. Interessante observar que todas as religiões, com raras exceções, criticam as práticas de outras religiões, e o islamismo nem sequer permite que outras religiões sejam praticadas nas áreas por ele predominadas. Obrigam, em regra, que todas as pessoas da sua nação tenham comportamento uniforme, sem respeitarem a liberdade religiosa dos outros. Todos têm que se submeter às suas regras rígidas, obrigadas por leis estúpidas, sob pena de serem castigados. Ora, se as outras religiões são consideradas heresias, pelos fundamentalistas islâmicos, porque as outras religiões não podem fazer o mesmo e anteder o islamismo como heresia? 
Nas regiões em que predomina o islamismo, os governos têm natureza religiosa e o comportamento do povo é determinado pelos fundamentos da crença, que tem como base, por exemplo a dificultação da mulher frequentar escolas, ou o fato de os homens terem várias esposas, o que não é permitido à mulher, que vira propriedade do homem ou objeto de uso e abuso. Terá Deus criado a mulher para ser escrava do homem? Essa forma meio rudimentar de convivência social já se mostrou extremamente perigosa, porque aliena pessoas e as tornam intolerantes em relação às diferenças de sexo e de pensamento.
A França tem sido um país que refuta todas as formas de manifestações públicas de religião, e recentemente proibiu, nas escolas francesas, que as crianças usassem no âmbito escolar, vestimentas de caráter religioso com a burca ou o xador, vestes que cobrem a cabeça ou partes do corpo feminino. A ordem que proíbe essas vestes comuns no islamismo foi publicada na França há menos de dez anos, exatamente porque a França é um estado verdadeiramente laico, que tem pouquíssima vocação religiosa. No Brasil a constituição federal proíbe qualquer forma de manifestação religiosa em eventos públicos oficiais, ou em prédios públicos, inclusive a presença de quaisquer símbolos religiosos nesses locais, o que não tem sido respeitado, já que câmaras municipais mantêm crucifixos nas paredes, mesmo contra  a lei, ou bíblias cujo conteúdo é lido durante eventos oficiais, mesmo contra a lei. O islamismo radical tem evoluído desde as comunidades árabes e já atingiu alguns países africanos, com pretensões de avanços sobre a Europa. A França se mostra resistente a essa espécie de doutrinação religiosa, e por isso pode estar sendo alvo de desagrado dos fundamentalistas adeptos de Maomé.
O Brasil tem se comportado de certo modo bastante tolerante em relação ao avanço das religiões no ambiente político, tem permitido que serviços de rádio difusão e televisão, que são serviços públicos de propriedade do governo federal, sejam usados, em tempo integral, para pregações religiosas, e as religiões, não importa de que natureza sejam elas, estão invadindo o poder político de modo que o risco de que estado brasileiro possa retroceder no quesito "desenvolvimento humano", e no avanço econômico e tecnológico se torne evidente. A religião, tem objetivos que não combinam com a ciência, haja vista as dificuldades que elas têm para conviver com temas como homossexualismo, genética, células tronco, aborto, e outras discussões que não podem ser objeto de tabus religiosos já que controle de natalidade, por exemplo, é tema de natureza social, econômica e científica que precisa ser discutido não somente com base na fé que no fundo se justifica também.
O que se viu na França é a realidade da fé que pode salvar almas, mas pode também assassinar pessoas em nome de um certo Deus.
Fica evidente que a religião deve cuidar da alma e os governantes devem cuidar da realidade social. Nos países onde imperam os fundamentalismos religiosos, ou há ditaduras terríveis ou então os fiéis elegem governos que  mais oram do que governam a evolução do ser humano, que emburrecido pela fé cega, se torna presa mais fácil dos espertalhões dominadores.
Não se deve proibir a liberdade religiosa, nem de um lado e nem do outro. Se não se pode ser cristão onde os islamitas dominam, a França tem o direito de não permitir práticas islâmicas em seu domínio, sem que com isso seja vítima de ridículos ataques terroristas religiosos. 
Religião fica na igreja e política nos palácios, cada um no seu quadrado. Assim fica tudo melhor.

terça-feira, 6 de janeiro de 2015

VEIO DE UM LEITOR INDIGNADO

Há muito tempo acompanho as publicações sempre incisivas, porém coerentes de seu BLOG.

Aproveito esse tempo disponível de  minhas merecidas férias pra lhe escrever.

Gostaria de fazer um comentário sobre a Educação em Caraguatatuba, o que vou relatar é verdade, pois sou professor e qualquer profissional da educação do município pode confirmar o que digo: a equipe de Supervisão de Ensino de Caraguatatuba é que não deixa a educação acontecer de verdade, muita coisa acontece lá dentro desta Secretaria e o Prefeito nem fica sabendo. São elas as Supervisoras que elaboraram um plano de carreira que não deixou e não “deixou” a prefeitura valorizar o professor de acordo com sua produtividade (meritocracia), com o dinheiro que sobra do FUNDEB e que deveria ser usado para isso ou seja,  premiar o  bom profissional ,mas elas acham isso uma bobagem. Outro ponto que prejudica os professores : elas  estipularam um estágio probatório de 04 anos para os professores ingressantes ( ou seja 03 anos de estagio probatório e mais um ano de “interstício”, que por sua vez acaba ficando como um tempo igual a 04 anos )E isso atrapalha  a evolução funcional do magistério.
O Ensino Fundamental II ( 6º ano 9º ano) é outro ponto nevrálgico na educação de Caraguatatuba, está nas mãos de Supervisoras que pouco ( ou nada entendem) dessa modalidade de ensino, pois TODAS as Supervisoras são professoras da educação infantil  e algumas de ensino fundamental I( 1º ao 5º ano).Elas não permitem que  professores do Ensino Fundamental II façam parte da Supervisão de Ensino, professores que realmente sabem e conhecem o funcionamento dessa modalidade assim como suas necessidades e problemáticas. Por que não existem Supervisão de Fundamental II ? Elas tem medo do que?
Então sairá uma  Secretária de Educação e entrará outra Secretária de Educação e nada mudará pois quem manda de verdade são as supervisoras, retrógradas, ditadoras, arbitrárias e limitadas,  nem parece que elas são professoras também ...parecem que elas querem é prejudicar os professoras também esse esquecem um dia voltarão para sala de aula e terão que deixar seus cargos comissionados.
Ainda existe na Secretaria de Educação um grupo autodenominado Apoio Pedagógico que nada mais é do que um braço da Supervisão de Ensino, verdadeiros pelegos, são profissionais que não acrescentam nada e apenas repetem tudo que as Supervisoras mandam, ou sejam mais massacre sobre os professores, seguindo cegamente o que a Supervisão manda e ordena.
Outro fator terrível também é o fato de muitas salas de aula estarem sendo fechadas em várias unidades escolares nas escolas, assim montam-se salas de 35 alunos ( número esse que aumenta no decorrer do ano letivo com as matrículas suplementares).Como conseguir qualidade no ensino com salas abarrotadas de crianças. E detalhe as Supervisoras de Ensino dizem que salas numerosas não pode ser prerrogativa para professor reclamar de qualidade de ensino, que absurdo.
E “para não dizer que não falei das flores” a Lei Nacional do Piso Salarial dos Professores não foi respeitada aqui pelas supervisoras. Existem coisas absurdas acontecendo aqui no município ao bel prazer de quem acha que sabe e interpreta as coisas só a partir de su ponto de vista. Diga-se  de passagem, a Lei Nacional do Piso, em municípios  vizinhos , como São Sebastião, é respeitada e por aqui em Caraguatatuba a aplicação da mesma é diferente ? Será que só Caraguatatuba interpretou a Lei corretamente e o resto do país interpretou errado ?
Gostaria que o Prefeito e a população soubesse disso tudo, haja vista que seu BLOG é um veículo de credibilidade. 

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

MÉDICO BANDIDO TAMBÉM EXISTE

A reportagem do Fantástico mostrou médicos safados que recebem propina para indicar próteses superfaturadas. Como já dissemos, quem faz isso é tão bandido quanto os agentes públicos corruptos e os ladrões de rua. Tudo igual.

domingo, 4 de janeiro de 2015

A MINHA FRASE DO ANO DE 2014

O agente público que aceita propina e a pessoa que a oferece ou entrega, são tão bandidos quanto os ladrões de rua. 
João Lúcio Teixeira

sábado, 3 de janeiro de 2015

CONFUSÃO E VIOLÊNCIA NO FIM DE ANO EM CARAGUÁ

Duas mortes por assassinato em plena via pública movimentada, na noite de 31 de dezembro para 1º de janeiro, e mais um tiroteio entre polícia e quadrilha na mesma avenida da Praia, fato que assustou a muita gente na noite seguinte.
Os fogos de artifício que a prefeitura compra para comemorar a passagem de ano, só traz problemas para a cidade, já que milhares  de pessoas se colocam na rua para ver o espetáculo pirotécnico.
Inúmeras pessoas vêm à cidade somente para ver os fogos, consomem bebidas alcoólicas e voltam dirigindo seus carros durante a noite.
Seria o caso de se rever a utilidade dessa espécie de gasto público em cidades que têm falta de médicos, de medicamentos, e de outros artigos importantes à vida em grupo, mas que gastam dinheiro em uma comemoração que deveria ser problema do comércio e da Associação Comercial e nunca da prefeitura.
O turismo que visita a cidade para essa finalidade bem que poderia ser substituído pelo turismo familiar que tem evitado a cidade em dias tão tumultuados.
O carnaval vai ser a mesma coisa, com um monte de gente acumulada em ruas estreitas, sem banheiros públicos, pessoas alojadas em imóveis pequenos, carros tocando música de mal gosto em altura abusiva.
Há evidente falta de organização no turismo do litoral que poderia explorar melhor essa vocação ao invés de continuar motivando a vinda de pessoas que estão mais a fim de bagunçar do que de se divertirem.
Caraguá é uma cidade que não dispõe de boas praias, mas que mesmo assim é preferida por muita gente que gosta de vir aqui, mas que está evitando visitá-la. Caiu sensivelmente o numero de visitantes nos últimos anos e se prosseguir sem inteligência na política de turismo, cuja secretaria tem sido dirigida por pessoas que não são do ramo, são muito mais comerciantes do que profissionais de turismo, o futuro será sombrio para o turismo por aqui que receberá somente os consumidores de bebidas e fazedores de bagunça, como a  que se viu no dia 31 de dezembro quando os policiais foram atingidos por garrafas de bebidas vazias lançadas por um bando de mal elementos de fora que acharam por bem provocar a ira dos policias que acabaram usando armas com balas de borracha e bombas de efeito moral para reprimir a violência.
Um calçadão tão bonito e bem iluminado deveria servir muito melhor às senhoras  com seus filhos e netos, cachorrinhos, patins, "skates", bicicletas, sorvetes, pipocas, algodão doce, mas só se vê lata de cerveja pra todo lado e um monte de jovens se embriagando em nome de uma manifestação estúpida que acaba em vômitos e xixi pelas ruas, ou nas portas fechadas das lojas que, no dia seguinte, precisam lavar tudo para se livrarem do mal cheiro.
As atividades postas à disposição das pessoas somente induzem alcoolismo ou outras formas de se fazerem alegres.
A cidade não tem recebido bom exemplo nas suas autoridades que preferem essa forma de descaminho que chamam de turismo. Bebida, droga e confusão.
Um pena que nós tenhamos que assistir a tudo isso e não temos sequer com quem falar porque as autoridades não falam com a população nem pela imprensa. Um bando de ignóbeis que se intitulam gestores públicos e dizem que ganham prêmios pela grande obra social que empreendem. Um absurdo! Melhor é aceitar que se tem é uma gestão da "pingaiada" pública.

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

DILMA SE AFASTA DA INFLUÊNCIA DO LULA

As nomeações de ministros para o seu segundo período de governo mostra que Dilma está dando sinais de que vai se afastar das influências do Lula e da tendência partidária interna do PT, a CNB- Construindo um Novo Brasil, que tem grande influência na organização petista. Dos novos ministros nomeados, alguns são da Democracia Socialista outra tendência de porte no PT, o que tem causado alguns constrangimentos nas urbes da estrelinha vermelha.
O fato é que o primeiro governo de quatro anos não foi suficientemente bom para a Dilma na avaliação popular e quase lhe rendeu uma "deseleição" em 2014, já que a vitória nas urnas foi suada mesmo tendo como adversário um político de pouca consistência eleitoral a nível de Brasil, mas que conseguiu crescer diante da dificuldade apresentada pela candidata Dilma que, dona da máquina estatal tinha que gozar de situação politicamente mais confortável. Ou seja, a Dilma quase perdeu a eleição de presidente da república pra si mesma, ainda que detivesse a máquina nas mãos.
Certamente, vai tentar construir uma imagem mais eficaz como gestora e assim buscar fortalecer a possibilidade de eleger o sucessor, o que é fundamental para as pretensões de todos os petistas.
O PT, visto por dentro, tem as suas divisões que são denominadas de tendências, cerca de três, considerando somente as principais, como CNB- Construindo um novo Brasil (Zé Dirceu), Democracia Socialista e Mensagem ao Partido (Zé Eduardo Cardozo), mas todas com tendência, ao menos na teoria, para alguma forma de socialismo. Toda a sua base tem origem nas lutas operárias, na igreja e noutros movimentos sociais proletariados.
São organizações tradicionais com raízes em escolas políticas consagradas tendo como exemplo a convergência socialista, e todas conscientemente organizadas sob os auspícios da sigla PT que sempre predomina sobre os interesses particulares de cada uma das tendências. Quem conhece o PT sabe que as tendências têm identidades próprias, mas não têm vida própria porque se submetem à predominância da sigla PT que quer significar a ideia de consenso sempre que os debates chegam ao fim. Algumas ainda pregam a luta armada, outras já aceitam a busca do poder pelo voto e assim vão convivendo em relativa harmonia.
A Dilma  terá que conviver com tudo isso e ainda negociar com os partidos políticos da base para conseguir governar um país que não vai tão bem nos últimos tempos.
O socialismo defendido pelas tendências petistas não tem forma definida já que todas as tendências acham que o Brasil vai encontrar uma forma brasileira de se organizar politicamente neste mundo complicado que se desenha atualmente. A economia é fator importante, mas a produtividade que vai dar sustento à economia tem encontrado limites no mundo globalizado, onde países de mão de obra barata estão entrando no mercado e criando dificuldades para outros países já estabilizados ou em vias de estabilização.
A missão da Dilma não é simples porque tem na sua casa, o PT, vários interesses a serem administrados, no governo um monte de partidos que exigem participação, e no mundo uma economia complicada.
Cabe aos brasileiros torcer para que a Dilma seja capaz de encontrar o caminho que leve o Brasil a uma situação mais confortável. É voz geral a ideia de que o governo federal só vai bem quando a economia vai bem, diferente das prefeituras que têm outras referências. O governo municipal vai bem quando a cidade está limpa e bem cuidada.
Resta-nos desejar um Feliz Ano Novo  à presidente Dilma e ao seu ministério e pedir ao universo que os ilumine para que a democracia seja plena e a felicidade seja geral.
João Lúcio Teixeira

CARAGUÁ MAIS LEVE

Até o ano de 2013 a cidade de Caraguatatuba realizava os shows de fim de ano na praça de eventos situada na praia do centro da cidade, o que causava movimento intenso nos dias em que ocorriam as apresentações de artistas.
Neste ano a prefeitura transferiu essas atividades para a região do Porto Novo, bairro distante uns sete quilômetros do centro, e a diferença foi bem grande no volume de movimento noturno. Alguns comerciantes ficaram com menos atividade, mas houve certa compensação porque as famílias que frequentam a cidade e não gostam da movimentação mais agitada, ficou mais tranquila e circulam mais à vontade pela região central. Houve perda de um lado e ganho de outro já que os shows provocam certa sensação de insegurança e espanta o turista mais familiar.
Com essa mudança, seria interessante a secretaria de turismo projetar o carnaval de forma que o agito vá para o Porto Novo e o carnaval tradicional das marchinhas, que já ganha tradição na cidade, seja ampliado no centro, que é o local onde as famílias que possuem imóveis na cidade costumam frequentar. A mudança poderá ser melhor se for bem planejada.
O centro pode ser objeto de destinação ao turismo familiar com segurança e conforto para idosos, pais e mães de filhos pequenos, crianças, cachorrinhos e sorvete ao invés de cerveja.
A secretaria de urbanismo tem papel importante na adequação dos equipamentos públicos, como estação de ginástica ao ar livre instalados em locais sombrios, brinquedos públicos para crianças, geração de muita sombra pelo calçadão da praia que atualmente é uma enorme frigideira ao sol constante, flores nas praças, bancos confortáveis e limpos. A cidade neste ano parece livre dos andarilhos que sempre apareciam nesta época, o que é um incômodo a menos. Não é preconceito, mas constatação da inconveniência da presença de pessoas sujas que só aparecem quando os turistas vêm e causam desconforto ao ficarem bêbadas dormindo nos bancos das praças. Não se sabe qual o artifício que foi usado pelas autoridades, mas essas pessoas não têm sido vistas pelas praças do centro da cidade.
O policiamento melhorou com a atividade delegada que permite aos policiais militares trabalharem nas folgas e receberem horas extras. 
Em resumo, parece que esta temporada vai ser menos desordenada do que as anteriores, ainda que se avistem menos turistas do que se via alguns anos atrás.